TEMPOS DO FIM

BOLETIM DOMINICAL – 13 DE MARÇO DE 2011

 

TEMPOS DO FIM – APOCALÍPSE (Apocalipse 1:3)

 

 

A partir deste domingo, as pastorais darão ênfase ao Apocalípse. Esperamos ao longo do ano, utilizar desta poderosa mensagem profética para anunciar o plano divino que se desenha nos horizontes do nosso globo terrestre. É Deus Jeová, escrevendo os últimos capítulos da história universal. Vamos considerar cada capítulo. Toda a literatura apocalíptica é escatológica. Em outras palavras, aborda a questão dos “tempos do fim”, o término do mundo segundo o conhecemos, o começo de um novo ciclo de um estado eterno (Cap. 21). A palavra “apokalupsis” pois, é uma “revelação” ou “desvendamento”, é uma visão profética. Tudo tem a ver, com a revelação de tudo quanto ainda estão ocultos. O próprio Livro, apresenta uma divisão de fatos históricos que sucederão dentro do tempo determinado por Jeová. Eis os três momentos delicados da história: “…as coisas que viste…” “e as que são” “e as que hão de acontecer depois destas”. (Ap.1:19) Neste sentido, muitas coisas já aconteceram ou se cumpriram. Coisas outras, estão em pleno cumprimento como por exemplo: o desamor, a incredulidade, a apostasia, o secularismo, o acristianismo, aumento de intensidade-quantidade de catástrofes (Terremotos, Tsunamis, vulcões, degelamento, efeito estufa…), uma nova ordem mundial, a distenção sobre a liga árabe, a crise desenfreada do óleo negro – o petróleo, etc…E tantas outras coisas que estão por acontecerem. enfim, é tempo de conhecer bem as profecias contidas neste Livro, com a Bíblia numa mão e a informação através da mídia na outra mão. A credibilidade das profecias e de seus cumprimentos, tem no Filho de Deus, O Cristo Ressurreto, toda a autoridade no céu, na terra e no mar.”…Não temas; eu sou o primeiro e o último”. (Ap.1:17c). “e aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno”(Ap. 1:18). O vidente João, o Apostolo do Senhor, o ancião – presbítero, foi quem escreveu este livro (Ap. 1:9-11). Assim como o Evangelho que leva o seu nome e ainda as três Epístolas. A data em que foi escrito é discútivel, mas a tradição antiga dá como sendo o ano 90 d.C. Os escritos apocalípticos são deterministas. Isso significa que a vitória eventual do mundo vindouro sobre o mundo presente – o triunfo do bem sobre o mal – é algo que foi determinado pela mão de Deus. O triunfo de Cristo é inevitável, embora pareça demorar-se por tempo execessivamente longo. O que exige da fé cristã, muita firmeza, confiança na promessa e esperança que vence. Afinal, o Livro foi escrito com o propósito de encojar, animar e despertar a coragem de que a Igreja cristã tanto precisava, para o testemunho autêntico e fiel da Palavra e de Jesus Cristo. Até porque, os eventos que porão fim ao presente mundo mau serão radicais, como se fora o decepar de um tumor canceroso. Os acontecimentos que darão início a nova era também serão cataclismicos. As mudanças se produzem mediante acontecimentos bons e maus, mas sempre repentinos, e são mediante algum processo gradual e inivitável. Mas as grandes alterações da história resultam de intervenções divinas. Vemos os homens arrotarem arrogância, prepotência e exibição de poder e autoridade. Tais fatos são previsíveis para a constatação profética de que o nosso mundo está no fim. Há de se ter o contraste de autoridade. “Eu sou o Alfa e o ômega, diz o senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-poderoso (Ap.1:8). É O COMEÇO DO FIM DOS TEMPOS.

 

Rev. Mário Ramos