SUGESTÕES PARA NOVO PRESBITÉRIO A SER CRIADO

SUGESTÕES AO PRESBITÉRIO A SER CRIADO

 

PLANEJANDO PARA 2008

 

IMPLANTAÇÃO, ESTRATÉGIA E MÉTODO

 

 

 

Amados! Diante da inexorável criação de mais um Presbitério, o que não concordei, mas respeito, apoio e defendo a democracia, por isso, posiciono-me, diante das conseqüências oriundas da decisão da maioria, pelo desdobramento do nosso Concílio, impondo-nos responsabilidades, trabalhos e desafios. Apresento-lhes como legítimo membro participante do novel Presbitério, oferecendo-lhes singelas sugestões, como segue:

 

– DA LINHA DE PENSAMENTO:

“A IPB é uma Comunidade de famílias cristãs-reformadas comprometida com a proclamação holística da Palavra, com a educação e com a transformação do ser humano e da sociedade.” – “Reformados sempre se reformando”.

 

– DA MISSÃO DO PRESBITÉRIO – O TRIPÉ:

Anunciar o Reino de Deus, Educar para a vivência cristã e Assistir o ser humano em suas necessidades.”

 

– DO LEMA:

O mesmo da “IPB, Evangelização, Educação e Ação Social.”.

 

– DO ALCANCE:

“A Comunidade Local, a Cidade, o Estado, o País e o mundo”.

 

– DOS VALORES E PRINCÍPIOS:

. Estratégia de crescimento segundo o modelo da Igreja Primitiva;

. Soberania de Deus;

. Escrituras Sagradas;

. Símbolos de Fé;

. Confissão de Fé;

. Catecismos;

. Constitucionalismo;

 

– DA ANÁLISE DO AMBIENTE: Estudo Contextualizado:

a) Oportunidades:

. Desejo de expansão e ocupação de novos espaços;

. Uso de inovações tecnológicas;

. Incentivo na Ação Social e educacional do Estado;

. Investimento no desporto e no atletismo pelo Estado;

. Crise de lideranças na sociedade;

. Transformações demográficas, deslocamento para os grandes centros urbanos (IBGE);

. Recrudescimento do misticismo de fundo oriental – “OS ISMOS”;

. Desestruturação familiar e social;

. Transformações institucionais em andamento – (A 3ª onda;).

 

b) Ameaças:

. Descrédito dos “evangélicos”; (Finanças, Mídia e Hedonismo);

. Influências do Neo-Pentecostalismo e o antropocentricismo;

. Influência maléfica através da mídia eletrônica e sua ditadura;

. Esforços de grupos religiosos para barrar o crescimento dos Evangélicos;

. O ressurgimento da intolerância e tentativa da contra-reforma pela igreja Católica Romana;

. Imoralidade que campeia no país em todos os seguimentos da sociedade e instituição;

. Diversidade litúrgica;

 

c) Pontos Fortes:

. Estrutura organizacional;

. Sistema de governo;

. Administração eficaz e transparente;

. Potencial do trabalho leigo;

. Credibilidade e simpatia;

. Escola B. Dominical;

. Preparo das lideranças e dos pastores;

. Literatura religiosa de boa qualidade;

. Projetos sociais-evangelisticos;

. Embasamento bíblico-doutrinário;

. Diversidade litúrgica;

 

d) Pontos Fracos:

. Falta de organização: individualização e concentração;

. Desunião da liderança e o desinteresse;

. Fraca consciência denominacional;

. Comunicação interna deficiente;

. Falta de reciclagem dos pastores;

. Diversidade e confusão litúrgica;

. Falta de percepção das mudanças no ambiente social e político;

. Falta de discipulado e identidade presbiteriana;

. Desinteresse por criar e desenvolver projetos sociais;

. Desperdício do potencial dos oficiais: Diáconos e Presbíteros;

 

– DA LITURGIA: Identidade Presbiteriana;

. Restabelecer o equilíbrio racional/emocional na liturgia;

. Restabelecer o equilíbrio entre a espontaneidade e o formalismo;

. Restabelecer o conservadorismo e o contemporâneo aceitável;

. Restabelecer a predominância do teocentrismo no culto e do cristocentrismo na pregação da Palavra;

 

– DA AÇÃO SOCIAL: Humanismo Calvinista;

a) Estratégias:

. Utilizar os espaços ociosos dos Templos para escolas, creches, cursos e ação social;

. Doutrinar as Igrejas locais e seus membros para ação social (adotar comunidades carentes próxima à Igreja);

. Reforçar a ação social mediante convênios com Instituições idôneas e Prefeituras;

. Trabalhar em esforço conjunto com Igrejas co-irmãs, (Ecumenismo Evangélico);

 

– DA POLÍTICA E DA SOCIEDADE:

a) Estratégia:

. Estimular a participação dos membros das igrejas na vida política do Estado;

. Estimular a participação dos presbiterianos nas associações de moradores;

. Reunir, periodicamente, com as lideranças, artistas, intelectuais e políticos para formar opinião/posição sobre temas de relevância social, moral e política do país;

. Nomear Comissão para acompanhar nas Câmeras Legislativas dos Municípios e do Estado, votação sobre matérias de relevância à Igreja;

. Nomear Comissão de Assistência Jurídica Social, aos necessitados, dando suporte a diaconia das Igrejas;

. Criar um Corpo Jurídico que represente o Concílio, com atribuição específica de perpetrar os “Remédios Constitucionais”, – Art. 5º da CF;

. Representar através da CE, o Concílio, em comemoração, homenagem e aniversário de Instituições, além de enviar moções ou pêsames;

. Criar e recomendar às Igrejas, um dia na Agenda/Programação, de oração em favor das autoridades constituídas e pelo Brasil;

 

-DA FAMÍLIA E DA IGREJA:

a) Estratégias:

. Promover Conferências no mês de Maio sobre a família;

. Promover encontro de Casais com Cristo, anualmente;

. Criar e prover através da Ação Pastoral, uma Secretaria de apoio aos descasados;

. Solicitar ao CECEP e à LPC a produção de material adequado à problemática familiar;

. Promover, anualmente, um Simpósio, para discutir sobre o Estatuto da infância e do adolescente, e a obrigação civil-penal dos pais e/ou responsáveis, visando o fortalecimento familiar;

 

– DA DESIGNAÇÃO DO NOME DO PRESBITÉRIO:

a) Pessoa Jurídica de Direito Privado:

Nome: Presbitério Parque Iguaçú ( PPIG);

Presbitério Metropolitano de Curitiba ( PMEC);

 

– DO PRESIDENTE DO NOVEL PRESBITÉRIO:

Considerando o contexto histórico que a família Dias representa para o presbiterianismo em nossa região;

Considerando a liderança reconhecida, experiência e preparo do Rev. Agemir e sua grande folha de serviços prestados ao PARC,

Considerando que o Rev. Agemir, por ordem Alfabética, seria ao natural o primeiro da lista em qualquer chapa que se criasse.

O Rev. Agemir conta com o meu voto e apoio à frente do novel Concílio.

 

– DA SEDE E DA REUNIÃO:

a) Igreja Presbiteriana do Parque Iguaçú;

b) Reuniões Extraordinárias do Concílio em Rodízio nas Igrejas Jurisdicionadas;

c) Data para as Ordinárias – 2ª Semana de Dezembro, na Sede;

 

 

 

 

AS REGRAS E AS PRAXES:

 

– DA ADMINISTRAÇÃO DO CONCÍLIO:

Art. 3º – Da administração do Presbitério:

Art. 4º – O Presidente,… eleito anualmente. “Que haja Rodízio no cargo de Presidente entre os membros do Concílio, anualmente, a partir da 2ª legislatura”;

 

CAPÍTULO I – DA VERIFICAÇÃO DE PODERES:

Art. 1º, § 3º – “As credenciais do Presbítero é o certificado da sua escolha, juntamente com o Livro de Atas, relatório e estatística da respectiva Igreja.” Acrescer o “Comprovante de pagamento em dia do INSS do Pastor da Igreja. E o comprovante de repasse do Dízimo ao S/Concílio, até os dois últimos meses da Ordinária”;

 

III – Ordem do dia:

2. Eleição:

b) dos Secretários…. “incluir uma Secretaria de apoio a regulamentação Documental das Igrejas: (Const. Da Igreja em Pessoa Jurídica; Solicitação de Isenção de IPTU; da regularização anual da Diretoria da Igreja em Cartório, regularização da Igreja na Receita Federal(Declaração) e no Ministério do Trabalho (A Rais), e regularização da Documentação da Igreja em Registro de Imóveis.

Obs.: Estes itens devem constar em formulário próprio do Relatório do Conselho das Igrejas;

 

e) – Secretários de Trabalhos Especiais:

Art. 15 – Compete ao Secretario de Educação Religiosa:

d) Incluir – Realizar nos meses de Maio e Agosto Seminários para a preparação de Professores e líderes da Escola Bíblica Dominical, conforme Art. 18;

 

 

e) – Comissões e outras organizações:

Art. 31 – Haverá as seguintes comissões de expediente:

a) Incluir – Comissão de Exame de notas, títulos e documentos das Igrejas, conforme § Único; e Art. 32, Alínea “b”.

 

ESTRATÉGIA E MÉTODO: Evangelização, Educação e Ação Social.

 

1) Exigir do ministro a ser recebido ou transferido pelo Concílio, a comprovação do pagamento em dia do seu INSS; (Excetua-se nos casos de Ordenação e de restauração de ministro);

2) Exigir do candidato ao Sagrado Ministério, de formação não Presbiteriana, dois anos de complementação no Seminário Presbiteriano de Campinas ou José Manoel da Conceição, antes do exame à Licenciatura. Caberá ao Concílio estabelecer quais as disciplinas, devendo a este, a subvenção do candidato;

3) Plantar Igrejas, somente em parceria com o PMC/IPB, ou outro Presbitério, no máximo até duas (02), de cada vez, cabendo, uma Agenda/Programação/Anual, com a participação de todas as Igrejas jurisdicionadas, preferencialmente, em locais de vias coletoras, em região de no mínimo 30 mil habitantes e no máximo de 40 km da sede; antes, consultar Guia Amarela, Meio Ambiente e IAP, em caso de compra de terreno; (Problema de Zoneamento e Plano Piloto);

4) Padronizar e encaminhar às Igrejas, Liturgia Impressa a ser praticada, nos moldes dos PRINCÍPIOS DE LITURGIA e do MANUAL DO CULTO;

5) Promover nos meses de Agosto e Outubro (Dia do Presbiterianismo e da Reforma Religiosa) FORUM DE DEBATES;

6) Criar na jurisdição do Concílio, uma Associação de Igrejas Evangélicas, reconhecidamente, objetivando o poder de representação junto às autoridades Civis, e de manifestação pública-cívica-evangelística quando necessário;

7) Reunir, periodicamente, com pastores, intelectuais, artistas e políticos para: elaborar documentos, memoriais, manifestos e revelar a opinião e ou posição evangélica quanto ao pensamento ético-cristão-político-econômico-teológico no Brasil e fora dele;

 

 

 

REFORMA DA CI/IPB, do CD e do PL para 2010:

 

Considerando, que, as Emendas aprovadas até o presente, ainda não correspondem com o ideal de uma Constituição da grandeza e importância histórica de nossa Denominação, acrescendo-se a isso, o CD e o PL, devemos lutar oferecendo à Assembléia Constituinte, um Ante-Projeto-2010, que possa traduzir as aspirações/inspirações do povo presbiteriano que luta e deseja uma Igreja histórica mais democrática, destinada a assegurar o exercício dos direitos sem distinção de sexos (sanar a multissecular injustiça que veda a mulher o exercício do oficialato e do ministério pastoral), a liberdade, a igualdade, a justiça como valores supremos de uma comunidade cristã-histórica, fraterna, pluralista, fundada na harmonia do humanismo social e o teocentrismo calvinista, mantendo sua missão precípua a difusão do Evangelho de Cristo, mediante, uma estrutura administrativa mais objetiva, ágil e prática, sob o apanágio do atual ordenamento jurídico brasileiro.

 

NECESSIDADE DA REFORMA – “Reformados sempre se reformando”

A grosso modo, para o momento, aventaria alguns aspectos:

 

1. O CD, é de complexidade labiritina, a reclamar simplificação e objetividade; (inatingível por alguns humildes Conselhos, razão porque a disciplina FORMAL, tornou-se obsoleta) – ou “bem de consumo”, apenas para os ministros;

2. Os PL, é de extrema pobreza, a reclamar aplicativos teológicos e litúrgicos contemporâneos;

3. A CI/IPB, está vencida em vários passos, a requerer atualização;

 

EXEMPLOS:

a) Caso de dupla jurisdição ou antijuricidade: O Candidato ao Sagrado Ministério, é jurisdicionado pelo Presbitério e tem um Tutor; já como membro da Igreja local a jurisdição cabe ao Conselho;

b) O preâmbulo da atual CI/IPB, promulgada a 20 de Julho de 1950, diz: “…legítimos representantes da Igreja Cristã Presbiteriana do Brasil…” está em desconexão com o nome da CONSTITUIÇÃO DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL;

c) Dar ao novo Preâmbulo, palavra que representa a “síntase/essência” do documento, a inserção do tripé: anunciar do Reino de Deus, educar para a vivência cristã e assistir o ser humano em suas necessidades;

d) Suprimir a gradação “ponto de pregação ou congregações”, já superados pelo novo perfil de igreja adotado pela IPB – § 2º do Art. 4º da CI/IPB;

e) Necessidade de conferir à Assembléia local mais autoridade e participação na gestão de seus negócios, principalmente, em matéria econômico-financeira, visto que, o Conselho representa, e não substitui a Assembléia;

f) Necessidade de melhor e mais coerente classificação de pastores – eliminar a figura de “pastor-auxiliar”; este, acaba sendo auxiliar do pastor-efetivo, (secretário de luxo), e não pastor-auxiliar da Igreja; Indicado: Co-Pastor;

g) Necessidade de completa reestruturação Conciliar. Os Presbitérios mais vultosos. Os Sínodos proporcionais às Unidades da Federação ou por regiões geográficas de cada Estado;

h) O termo “Presidente” não é o mais indicado, e sim, “MODERADOR”, tem mais em haver com a Igreja Primitiva, com a Igreja de Calvino em Genebra,(Pequeno Conselho ou o Conselho dos 200) e com o próprio sistema representativo democrático de nossa IPB;

i) O termo “Supremo”, do Supremo Concílio, deveria ser de uso exclusivo a Deus, o Senhor da Igreja; o mais indicado seria Assembléia Geral;

 

Emendas Aprovadas: SC/IPB;

 

a) No CD, “quando o ministro for réu confesso, o processo será Sumário”.

– Seção 11ª – Do Processo Sumário:

Art. 103 – O processo sumário terá lugar quando:

1)“o acusado, comparecendo, confessar a falta”;(CI/IPB de 1950)

2)CI/ICPB de 1937) – Art.186, Alínea “a”

b) Na CI, “O ministro após a jubilação, poderá permanecer no pastorado, desde que, convidado pela igreja e aprovado pelo Presbitério”.

 

8) Lutar pela eleição, ordenação e investidura de diaconisa em nossa Denominação, com base na (Constituição da ICPB, Art. 59 – “Para o ofício do diaconato não há distinção de sexos”). E Art. 83, Aline “x” da CI/IPB;

9) Exigir, imperiosamente, do ministro a ser recebido pelo Concílio quando este não for de formação presbiteriana, ou a ministros que vem de outra Igreja evangélica o dispositivo do Art. 47 e Art. 132, § único;

10) Exigir no mínimo três (03) anos, de membro comungante, quem se sentir chamado para o ministério da Palavra de Deus.

11) Promover encontros de confraternização entre os oficiais e suas famílias, sendo por estes subsidiado em chácaras, clubes e restaurantes;

12) Criar e manter um Fundo de Caixa, visando o pagamento do INSS dos ministros, sendo este, administrado pelo tesoureiro do Concílio; (Contrato Plurilateral – Sócios em Comum) – Cada Igreja contribui com o percentual correspondente ao sustento pastoral, acima de três salários mínimos; Quanto ao ministro, sem Igreja, que paga o INSS ou outra espécie de Seguridade (Iniciativa Privada), deverá este, comprovar perante o Concílio, nas Ordinárias;

13) Buscar parceria com o PMC/IPB, e outras Instituições idôneas via convênio, recursos para a construção de Templo-Escola; ou ainda, gravar de ônus, (Hipotecar), eventualmente, algum imóvel-patrimônio do Presbitério, à obtenção de empréstimos junto ao Agente Financeiro;

14) Fornecer às Igrejas jurisdicionadas, uma posição esclarecedora e definitiva sobre a questão Maçonaria, no contexto histórico de nossa denominação/sociedade imperial – Da autonomia ao Cisma;

15) Criar um Centro de Preparação para Pregadores Leigos (CPPL), Curso à distância e exame de proficiência na Sede do Presbitério. A entrega do Diploma dar-se-á numa Reunião Extraordinária do Concílio, em culto público e solene;

16) Adquirir uma Chácara (zona urbana), que atenda às necessidades das Igrejas jurisdicionadas, mantendo uma agenda aberta, anualmente, para os demais interessados, visando com esta receita, à manutenção da mesma;

17) Fazer um Plano de Saúde Coletivo, com Hospital Evangélico, com o mínimo de 50 associados, visando a saúde os membros do Concílio e a 3ª Idade do nosso Presbitério, desde que, membros em plena comunhão;

 

PLANO DE SAÚDE SATANDARD – CO.PARTICIPAÇÃO (Cód.2501)

Ambulatório Hospitalar – acomodação enfermaria padrão convênio (02 leitos)

  • Consultas sem limites em todas as especialidades ( + de 200 Consultórios creds);
  • Exame complementares de apoio diagnóstico e terapêutica sem limites;
  • Internamentos sem limites, inclusive em UTI, tratamentos psiquiátricos;
  • Cirurgias, Cirurgias cardíacas e transplantes de córneas e rins;
  • Urgência/emergências 24 horas;
  • Obstetrícia – serviço de Parto;
  • Co-participação do usuário em consultas 10% = R$ 4,20; e exame de diagnóstico 10% do valor do exame com limite de R$ 50,00 por exame;
  • Faixa etária de 00 a 59 anos por R$ 47,00 mês; acima de 60 anos, R$ 94,00;

 

18) Incluir na Agenda para a devida comemoração os 150 anos da IPB e os 500 anos de Reforma Protestante. Esses eventos cívico-religioso, constando inclusive, de autoridades civis e militares no testemunho do marco histórico;

19) Elaborar e oferecer às Igrejas uma reflexão reformada sobre a “MARCHA PARA JESUS”, que tem revelado contorno extremamente ideológico;

20) Adquirir e oferecer às lideranças o Livrete sobre o movimento G- 12, recomendando-as o não envolvimento de qualquer espécie com estes;

21) Envolver as Igrejas jurisdicionadas com outros Presbitérios através de intercâmbios;

22) Criar uma Biblioteca e um pequeno Museu de Acervo Histórico da IPB, e da Fé Reformada na sede do Presbitério;

23) Visitar e conhecer o repouso de pioneiros presbiterianos e a fonte histórica da Igreja, o Cemitério dos Presbiterianos em São Paulo, devendo aos nossos seminaristas uma parada obrigatória, como fonte de pesquisa e cultura presbiteriana;

24) Lutar para que “ao lado de cada igreja deve haver uma escola” – M. Lutero;

25) Informatizar e criar um Portal na Internet que disponibilize de todas as informações necessárias e possíveis ao acesso, bem como, informações atuais da CE/IPB, e notícias outras do mundo religioso ou assuntos que mereçam a reflexão, posição e crítica do povo de Deus;

26) Elaborar um Catecismo ‘CONHECER E CRER” de cunho reformado, objetivando o preparo dos novos convertidos à profissão de fé e oferecer ao público em geral, uma obra religiosa de boa qualidade bíblica-teológica-histórica-filosófica, com o lançamento por ocasião dos 150 anos de IPB. Essa obra será protegida por lei (Art. 5º, Inc, XXVII). Será subsidiada pelo Concílio, particulares e patrocinadores. Os rendimentos serão destinados à evangelização local;

27) Sustentar o Ministro em disponibilidade, sem campo, durante um ano, com três salários mínimos mensais (Resolução consensual da Comissão e aprovado em plenário do SC/IPB em Julho/2006-Aracruz/ES);

28) Elaborar Livrete constando dos Credos, Confissões, Catecismos e Cânones que abarca a história da Igreja através dos séculos e os reformadores até a Confissão de Fé da Guanabara (1558), escritos pelos huguenotes, calvinistas franceses, enviados por Calvino e a Igreja de Genebra. Este material será vendido e os valores aplicados na evangelização local;

29) Reunir na última quinzena dos meses de Fevereiro, informalmente, para traçar às estratégias, metas e programação anual, a fim de permitir que as Igrejas tenham uma agenda que viabilize a parceria nos trabalhos, eventos e comemorações;

30) Contratar uma secretária meio/expediente para, na sede do Concílio, favorecer a operacionalização administrativa das resoluções do Presbitério;

31) Promover Seminário, anualmente, sobre o verdadeiro papel dos Presbíteros e Diáconos, no contexto da Igreja local e dos Concílios;

32) Recomendar as Igrejas, que ao admitir empregado ou funcionário, somente por contrato registrado ou Carteira Assinada. No caso de “mutirão”, arrolar os voluntários num livro próprio e registrado, e levar ao conhecimento do INSS, para posteriormente, obter o Alvará de funcionamento e a averbação da obra realizada;

33) Estabelecer as Côngruas Pastorais, num mínimo de cinco (05) salários mínimos como piso e no máximo de dez (10) salários mínimos nacional, como teto; e o pagamento do INSS do ministro, podendo o Conselho, oferecer benefícios como: Aluguel, plano de saúde e gasolina e o 14º salário no “Dia” do Pastor;

34) Trabalhar por um Presbitério forte, coeso e fraterno com o mínimo de quinze (15) Igrejas organizadas, todas auto-governável, auto-sustentável e auto-propagável;

35) Promover além do EMUSA, um RECITAL de Música Sacra, anualmente, a nível de Sínodo, dirigido pela Secretaria de Música do Concílio;

36) Criar uma Comissão Permanente para promover fórum de debates sobre pontos doutrinários tais como: Acerca do batismo com o Espírito Santo; acerca da plenitude do Espírito Santo; acerca dos dons do Espírito Santo; do dom de línguas; o dom de profecia; acerca da interpretação das Escrituras Sagradas; e a importância do pensamento calvinista para os nossos dias; sua VIDA, OBRA E TEOLOGIA;

37) Utilizar todos os meios de comunicação (mídia) na divulgação do Evangelho e para melhorar e popularizar a imagem do Concílio e da IPB;

38) Estimular, através de Campanhas e Alvos, o aumento de assinaturas e a leitura dos órgãos oficiais da Igreja;

 

39) Recomendar aos Conselhos, o tratamento devido os descasados:

 

A) A SITUAÇÃO DOS DESCASADOS:

a-1) Pessoas não casadas civilmente por impossibilidade jurídica: A admissão, ainda que excepcionalmente, à comunhão da Igreja, a critério e juízo do respectivo Conselho, que também poderá apreciar outros casos semelhantes, com zelo, amor e carinho e seriedade cristãos, desde que estejam vivendo em harmonia como se casados fossem, gozando de boa reputação e freqüentando regularmente a Comunidade, período nunca inferior a dois anos;

a-2) Os que vivem maritalmente (nunca se casaram), podem ser membros da Igreja:

Quando alguém se converte à fé cristã, e não são casados. O Conselho deve acolhê-los com amor e ajuda-los a regularizar a situação, ajudando-os se possível financeiramente;

a-3) Os separados judicialmente ou os divorciados que vivem com um outro homem ou com uma outra mulher, podem ser membros da Igreja:

Em surgindo um obstáculo absolutamente intransponível, após, pelo menos, dois anos de sólida e intensa presença e participação na Igreja, esgotadas todas as possibilidades de casamento, o Conselho analisará caso a caso, criteriosamente, e poderá nos termos da resolução do Supremo Concílio recebê-los;

a-4) E se forem os oficiais da Igreja, devem perder os seus privilégios?

Seja o ministro, presbítero e diácono, a separação em si, pode não ser razão para perder os seus privilégios, desde que, motivado pelas razões bíblicas: adultério e abandono irremediável do lar. A Bíblia e a Confissão de Fé reconhecem os direitos da parte inocente.

40) Resgatar, nesse incipiente Concílio, a Força Constitucional e o Poder jurisdicional, quanto à designação de Pastor-Evangelista, que por vezes, tal designação (Art. 88 “a” da CI), não passa de satisfação do Presbitério ao Conselho da Igreja, extirpando desta forma, a famosa “erva daninha-politicagem” destruidora de sentimentos e transtornos para o ministro e sua família;

41) Interpretar, considerar e aplicar o termo “conveniência da obra evangélica” (Art. 133 da CI), que deve representar acima de tudo a proteção dos ministros, que não podem ser preteridos, por outros admitidos, na condição de Pastor-Evangelista, vez que, de responsabilidade do Presbitério a jurisdição e a sustentação dos Pastores-Evangelistas (Art. 35 da CI/IPB);

42) Interpretar, considerar e aplicar nos termos do Art. 43 da CI/IPB, a inserção “Magistério” e “dentro” – “… para se ocuparem em trabalhos de assistência social, no magistério, ou de natureza religiosa, dentro ou fora dos limites…”;

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO PRESBITÉRIO 2008

 

 

  • Organograma:

 

 

Curitiba, 22 de Agosto de 2007.

 

Rev. Mario Ramos

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com