SABEDORIA E EQUILÍBRIO: VIDA CRISTÃ APROVADA

– Nº 150 –  PASTORAL – 03 DE JUNHO DE 2018.

SABEDORIA E EQUILÍBRIO: VIDA CRISTÃ APROVADA

Tiago 1: 19-27 e Am. 3:3

Pasticipamos de um Simpósio na Igreja Presbiteriana de Custodópolis –Campos-RJ, no dia 19 de Maio, cujo tema foi: Família: Sabedoria e Equilíbrio. O assunto é extremamente fascinante e fundamental. É claro, a matéria requer tempo bastante para mergulharmos em seus meandros. Porém, em síntese e essência, significa: A expressão do comportamento cristão aprovado. De Deus procede as Sabedoria: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do santo é prudência.” (Prov. 9:10). O conhecimento do Senhor é fundamental para saber viver. Quando consideramos Deus como Soberano e sua Palavra como absoluta, então viveremos dias bons e difíceis em correta perspectiva. Saberemos lidar com os reveses, escolhendo as melhores coisas, separando-nos das mesquinhas conveções e distinções humanas. Vemos que Tiago em sua Carta, insiste o tempo todo, em que, a verdadeira riqueza está no investimento em vidas, especialmente naquelas que clamam por ajuda. Tiago demonstra que a fé tem de se materializar em obras, não apenas um serviço cristão impessoal, mas em relacionamentos que oportunizem a materialização da fé que professamos. Daí, a palavra chave em Tiago é “Obras”, na dimensão cristológica, cuja fé é obediência, atitude, atos de amor. A que se limita ao discurso é tão morta quanto ao cadáver: inerte, frio e inoperante. Lembremo-nos da advertência do Senhor Jesus quanto ao sermos “frios ou mornos”. Como voce tem praticado a sabedoria e o equilíbrio em suas ações? Em casa, na igreja, no trabalho, na escola e na sociedade? A sabedoria e o equilíbrio como uma  fórmula pefeita em ação serão vistas como uma fé genuína. Uma vida cristã aprovada. É receita CERTA  para: evitar divisões,  coibir a imoralidade, impedir litígio, anular escândalos, amoldar usos e costumes, fomentar o ministério na igreja, padronizar a ordem no culto, incentivar a contribuição e solidariedade, revigorar a espiritualidade, fortalecer a vida conjugal, pacificar relação entre pais e filhos, propiciar a docência na Igreja, apoiar e sustentar o ministério pastoral. Rev. Mario