RELACIONAMENTO E INTEGRAÇÃO FAMILIAR

Nº 017 – BOLETIM DOMINICAL- 31 DE MAIO DE 2015

RELACIONAMENTO E INTEGRAÇÃO FAMILIAR

Ef. 5: 22; 6:1-4

É comum tratarmos os nossos filhos do jeito que fomos tratados. Assim perpetuamos erros, criamos gerações de autoritarismo, de superproteção, de indiferença ou de atitudes democráticas equilibradas. Não se sabe, quando os filhos dão mais trabalhos, se quando crianças ou adultos. Diz o adágio popular: “Filho criado trabalho dobrado”. Sabemos que o filho também dá muito orgulho aos pais. Mas, não podemos generalizar. É tarefa muito delicada e difícil a educação dos filhos. Precisamos pedir auxílio a Deus, para errarmos menos.Os relacionamentos estão em crise e sofrendo profunda revisão. A “crise” nos relacionamentos hodiernos, provem da falta de comunhão adequada. Há atritos de poderiam ser evitados na igreja, no lar, na sociedade, se houvesse melhor comunicação. Comunicação clara, aberta, sincera, leal e franca.No relacionamento familiar, isto é básico. É preciso paciência e tempo para ouvir uns aos outros. Ouvir com calma, com atenção e amor.  Ouvir de bom grado. Ouvir escutando o outro, valorizando a opinião dele, ainda que seja diferença da sua. Somos diferentes e pensamos diferentes. Mas é neste universo de adversidade que se faz sentido a unidade. O marido precisa saber ouvir a esposa, a esposa ao marido. Os filhos saberem ouvir os pais, os pais aos filhos. Somos uma família. Portanto, não será preciso que alguém grite dentro de casa para que todos possam ouvir. A mesa da sala é símbolo da união, do entendimento, da compreensão, do amor e da confraternização. Para tanto, é preciso saber ouvir para poder falar. Do diálogo nasce à luz, a compreensão; da discussão os atritos e as dissensões. Disse Platão: “Numa discussão, quem fala mais alto, tem menos razão. As grandes verdades podem ser ditas em voz baixa. A força é do argumento e não da voz”. Melhorada a comunicação, haverá maior comunhão, mais amor e uma real integração. Se a família está se desintegrando, a responsabilidade é de todos. Será preciso dividir as responsabilidades e os privilégios, dentro de casa. Que todos cooperem! O nosso relacionamento é a base da integração.    Rev. Mario Ramos