PRINCÍPIOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL

 

PRINCÍPIOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL

 

01. ORIGEM DENOMINACIONAL:

-Herdeira da Reforma Religiosa 31/10/1517;

-Reformadores: João Calvino, Guilherme Farel e João Knox

-Primados da Reforma: Somente a fé, somente as Escrituras, somente a graça e somente Cristo;

-Arcabouço Doutrinário: Calvinismo – de João Calvino (1509 – 1564) Nasceu em Lyon-França e morre em Genebra-Suíça;

-Nome Presbiteriana: dado por João Knox – Pastor da Igreja Presbiteriana na Escócia – discípulo de Calvino.

 

02. ORIGEM DO NOME PRESBITERIANO:

-Ancião (o mais experiente, chefe da família, da tribo), expressão grega (Bispo e Presbítero) – Presbiteriano

– Referências bíblicas:

Ex. 3:16 “vai, ajunta os anciãos de Israel…”

Ex. 24:01 “Setenta dos anciãos de Israel: e adorai…”

1 Sm. 15:30 “ honra-me …diante dos anciãos…”

Dn. 7:9 “ e o Ancião de Dias se assentou..”

Mc. 11:27 “ vieram ao seu encontro os anciãos…”

At. 4:5 “ reuniram-se em Jerusalém os anciãos”

Ap. 4:4 “ vinte e quatro anciãos vestidos”

At. 20:28 “ Espírito Santo vos constituiu bispos”

Fp. 1:1 “ Inclusive bispos e diáconos… vivem em…”

1 Pd. 2:25 “vos convertestes ao Pastor e Bispo”

At. 14:23 “em cada Igreja a eleição de presbíteros”

At. 20:17 “ mandou chamar os presbíteros da Igreja”

1 Tm. 5:17 “honra os presbíteros que presidem bem”

Tg. 5:14 “ Chame os presbíteros da Igreja, e estes…”

 

03. CHEGADA DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL:

-Brasil- Colônia ( 1557), a caravela de Vilhegainhon e o Alamirante Collygne franceses huguenotes, enviados por Calvino – construção de abrigos ao líderes perseguidos do movimento reformista- RJ;

-Brasil- Colônia (l636 ) holandeses, Mauricio de Nassau, calvinistas no Nordeste BA/PE;

-Brasil-Império: 12/08/1859 – Implantação definitivo da fé reformada no Brasil;

-Missionário, Rev. Aschebel Green Simonton – Americano;

-Sede das Missões: Igreja Presbiteriana do Norte e Sul dos E.U.A.

-Organização da Primeira Igreja: 12/01/1862- Catedral Presbiteriana Rio de Janeiro;

-Organização do Presbitério-Mãe: 11/10/1872 – Registro no Diário Oficial do Império do Brasil.

 

04. O QUE É A IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL?

-Uma Denominação, Histórica, Fé Reformada, fraterna, unida e próspera;

-Sínodos (76), Presbitérios (296), Igrejas ( 5.873) mais as Congregações;

-Pastores (+ ou – 7.200) incluindo os Jubilados;

-Autarquias: Faculdade Teológica Presbiteriana (15), Institutos Bíblicos (32),

Escolas de Ensino Fundamental ( 82); Escola Ensino Médio ( 34), Universida-

de (01) Mackenzie-SP; Hospitais ( 09), Creches (192), Orfanatos (32), Abrigo

Para Idosos ( 08), Casa Editora (01), Jornal (01) etc..

Somos aproximadamente quase um milhão de crentes presbiterianos no Brasil.

 

 

05 – SÍMBOLOS DE FÉ DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL:

 

  1. A Bíblia – Palavra de Deus;
  2. A Confissão de Fé de Westminster, elaborada de 1643-1649, Sala da Abadia, Inglaterra;
  3. O Catecismo Maior e o Breve Catecismo;
  4. A Constituição da Igreja- “Manual Presbiteriano”.
  5. Manual do Culto.

 

 

06 – O QUE É A CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER?

Inicialmente surgiu o ‘Credo” Apostólico( Uma síntese da essência dos ensinamentos das doutrinas cristãs. Credo quer dizer “creio”;

Num 2º momento surgiu o “Credo Atanasiano”, Atanásio;

Num 3º momento o “Credo Niceno”, Cidade de Nicéia;

Depois a Confissão de Augsburgo; e

Por último, a Confissão de Westminster, (1643 – 1649) Londres, Conteúdo calvinista, elaborada por Teólogos Puritanos Calvinistas. Esta é a única até hoje!

 

07 – QUAL É O OBJETIVO DOS CREDOS E DAS CONFISSÕES?

Definir e Refinar as doutrinas cristãs ao longo dos séculos, em face às heresias.

 

08 – QUAL A VALIDADE DOS CREDOS E DAS CONFISSÕES?

O fato de ser tão somente, uma síntese da essência da Palavra de Deus do A. Testº e Novo Testamentos. É a sistematização das doutrinas cristãs.

 

09 – O QUE É O CATECISMO MAIOR E O BREVE CATECISMO?

A palavra “catecismo” referia-se à instrução oral religiosa. Mais tarde, passou a indicar os Livros que continham tal instrução. São instruções, didáticas sob forma de perguntas e respostas embasadas na Palavra de Deus, destinadas aos interessados ao batismo cristão.

O Catecismo Maior, pela elevação das instruções destinam-se aos adultos; Ao passo que o Breve Catecismo, às crianças. João Calvino, exigia que os pais ensinassem os filhos o catecismo. Por vezes, ele mesmo, avaliava o grau de aprendizado destas crianças.

 

10 – A CONSTITUIÇÃO DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL

 

  1. Em quantas partes divide o Manual Presbiteriano, a Constituição da Igreja?

R. Em 04 partes,

A constituição propriamente dita ( Art. 1º ao 152);

O Código de Disciplina ( Art. 1º ao 135);

Princípios de Liturgia ( Art. 1º ao 44); e

Estatutos da Igreja Presbiteriana do Brasil com os Seguintes Regimentos Internos:

– VI/ Regimento Interno do Supremo Concílio;

– VII/ Regimento Interno da Comissão Executiva do S/C;

– VIII/ Modelo de Regimento Interno para os Sínodos;

– IX/ Modelo de Estatutos para os Presbitérios; e

– X/ Modelo de Regimento Interno para os Presbitérios;

– XII/ Modelo de Estatutos para uma Igreja Local; e

– XIII/ Modelo de Regimento Interno para a Junta Diaconal.

 

 

 

 

 

 

DO PREÂMBULO

 

Trata-se de uma síntese da essência dos ensinamentos ali contidos. Não é uma introdução. A síntese é: “…a promoção da paz, disciplina, unidade e edificação do corpo de Cristo,…”

 

Revela uma confissão de fé em Deus/Trino e na sua Bênção: “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo..”

 

Promulgada a 20 de Julho de 1950 – No Templo da Igreja Presbiteriana do Alto Jequitibá-MG. A palavra “promulgada” significa: A Constituição é fruto do dirigismo constitucional, mediante os representantes do povo que a elaboraram e votaram, oferecendo-a aos membros da Denominação.

 

CAPITULO – I

 

Natureza, Governo e Fins da Igreja

 

Art. 1º – É Pessoa Jurídica de Direito Privado;

É representada pela sua Comissão Executiva;

Governo por meio de Concílios e indivíduos, regularmente instalados.

Art. 3º § 2º – Ordem pelo Ministro: Sacramentos e a Bênção Apostólica;

Jurisdição quando coletivamente por oficiais em Concílios.

 

CAPÍTULO – II

Organizações das Comunidades Locais

 

Art. 7º § Único – cisma ou cisão: cisma, separação do corpo e da Comunidade, os bens ficam com a Igreja; cisão total, os bens ficam com a parte fiel desde que permaneçam fiéis as Escrituras.

 

CAPITULO – III

Seção 1ª – Classificação, Direitos e Deveres dos Membros da Igreja.

 

Art. 13 § 2º – Ser eleito após seis meses a sua recepção; para presbíteros e diáconos o prazo é de 01 ano, salvo casos excepcionais;

§ 3º – só membros em plena comunhão pode tomar a Ceia e ao menos um dos pais pode apresentar os filhos para o batismo.

Seção 2º – Admissão de Membros

Seção 3ª – Transferência de Membros

Seção 4ª – Demissão de Membros

 

CAPITULO – IV

Seção 1ª – Classificação.

 

Art. 27 § 2º – “Para atender às leis civis, o ministro será considerado membro da Igreja de que é pastor, embora, sob jurisdição do Presbitério.

Seção 2ª – Ministro do Evangelho

Seção 3ª – Presbíteros e Diáconos

 

 

CAPITULO – V

 

Dos Concílios

Seção 1ª – Concílios em Geral

Seção 2ª – Conselho da Igreja

Seção 3ª – Presbitério

Seção 4ª – Sínodo

Seção 5ª – Supremo Concílio

 

CAPITULO – VI

Seção 1ª – Comissões Eclesiásticas

Seção 2ª – Comissões Executivas

Seção 3ª – Autarquias

Seção 4ª – Secretarias Gerais

Seção 5ª – Entidades Para-eclesiáticas

Art. 107 –“..cuja direção os Concílios participam, mas sobre as quais não têm jurisdição.”

 

CAPITULO – VII

Ordens da Igreja

Seção 1ª – Doutrina da Vocação

Seção 2ª – Eleição de Oficiais

Art. 111, § Único – o prazo para a eleição é de 30 dias antes do findo mandato.

Seção 3ª – Ordenação e Instalação de Presbíteros e Diáconos

Seção 4ª – Candidatura e Licenciatura para o Sagrado Ministério;

Seção 5ª – Ordenação de Licenciados

Seção 6ª – Relação Pastoral

 

DISPOSIÇÕES GERAIS

 

DISPOSIÇÕES TRANSITORIAS

 

É A Lei velha que garante a legalidade e a legitimidade até que entre em vigor a nova Lei. Neste caso foi a Constituição de 1937, que morreu ao passar a vigorar a Lei Nova de 31 de Outubro de 1950. (Art. 146)

 

 

São José dos Pinhais/PR, 20 de Fevereiro de 2011.

 

 

Rev. Mario Ramos

Pastor da Igreja