OS LEIGOS NA PREGAÇÃO

Nº 67 – BOLETIM DOMINICAL- 21 DE AGOSTO DE 2016

OS LEIGOS NA PREGAÇÃO – At. 8:1-13

Os “leigos” na pregação atende a um princípio natural e imperativo da vocação daquele que estar em Cristo (Mc. 16:15;  e Mt. 28:18-20; At. 1:8 e At. 8:4), para não citarmos tantos outros textos. A distinção entre “Leigos” e “Clérigos” ou seja, do crente comum e do Pastor, enquanto pregadores do Evangelho, por vezes até se confunde no Novo Testamento, diante da doutrina do “Sacerdócio Universal” dos cristãos que nós Protestantes, Reformados, Calvinistas, Presbiterianos e Evangélicos , ensinamos e defendemos, por ser uma prática recorrente na Bíblia e na Igreja dos Apóstolos (I Pe. 2:9). É verdade que a Bíblia destaca a casa de Arão e a tribo de Levi como dedicadas ao sacerdócio. Já no Novo Testamento, temos três listagens dos DONS, onde se verifica os chamados específicos como Pastores e Mestres. O sacerdócio sempre foi visto como um ministério sacrificial, uma ordem, uma classe. Rejeitamos a ideia de que o cristianismo seja uma religião de classes, muito pelo contrário, somos todos servos uns dos outros em Cristo Jesus. Mas temos por vocação responsabilidade específico e especializado, dentro do ministério total da Igreja total. O ideal é termos: “a Igreja toda, levando todo o Evangelho, a todo o mundo”. Evangelizar é tarefa inadiável e intransferível de todos nós. Este Evangelho precisa ser integral – alcançando o homem no seu todo; alcançando a sociedade e suas ações globais – toda a criação (Rm. 8: 18-21). Vemos que muitas Igrejas primitivas, foram fundadas por leigos e não pelos Apóstolos que não eram sacerdotes ordenados, no sentido técnico e nem pertenciam a uma classe sacerdotal. A Igreja em Roma foi fundada por leigos. A igreja de Samaria foi fundada pelo Diácono Filipe. Assim foi possivel a expansão e a extensão da Igreja da Dispersão pela perseguição. Por toda parte os cristãos pregavam a Palavra e a confirmavam com o seu testemunho pessoal. O leigo não só pode como deve pregar. É indispensável conhecer bem a Palavra de Deus; ler bons livros,; ter bons comentários  e Dicionário da Bíblia. Isto é apresentar-se como obreiro que não tem com que se envergonhar ( 2 Tm. 2:15). Rev. Mario Ramos