O QUE É JUSTIFICAÇÃO

Nº 78 – BOLETIM DOMINICAL- 06 DE NOVEMBRO DE 2016

O QUE É JUSTIFICAÇÃO – Romanos 5: 1-11

Estamos ainda no clima da comemoração dos 499 anos da Reforma Religiosa. Na verdade, já partimos para os 500 anos. No ano que vem, certamente, nós, reformados, estaremos em festa. Sabemos que a doutrina da Justificação pela fé é central no ensino da Reforma do Séc. XVI. A tese da justificação pela fé, foi o ponto mais agudo destacado por Lutero, Calvino e outros reformadores. Durante um longo tempo, aproximadamente 1.100 anos, dos Séc. V ao XVI, a Justificação pela fé foi sepultada e esquecida. Ensinava-se então, que a salvação era conseguida através das obras realizadas pela pessoa, e mais ainda, que as obras de cristãos já mortos poderiam ser transferidas aos vivos, o que se chamava de indulgência e pela qual se pagava com dinheiro. Era uma forma de se comprar o perdão dos pecados e de se alcançar a justificação. Foi a Reforma Protestante do Séc. XVI, que fez novamente emergir das páginas das Sagradas Escrituras a doutrina da justificação pela fé em Cristo. A Reforma foi um resgate as doutrinas apostólicas. Este avivamento reformista foi um retorno à Palavra de Deus. Diz a Bíblia: “Pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras para que ninguém se glorie.” (Ef. 2:8 e 9). Diz o Dicionário Aurélio: “Justificação é passagem, sob o influxo da graça divina, do estado de pecado para o estado de graça, ou estado de justiça”. Paulo afirma: “Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira” ( Rm. 5:9). Cremos que Deus chama os homens ao arrependimento mediante a pregação do Evangelho e, livre e soberanamente, os justifica. Na justificação Deus perdoa os pecados e aceita o pecador como justo. Deus odeia o pecado mas ama o pecador. A ação de Deus justificando os homens, não decorre de coisa alguma que tenhamos feito, mas tão somente daquilo que Cristo fez por nós. Nem mesmo a fé, o ato de crer ou a obediência aos princípios do Evangelho, pode justificar-nos perante Deus; mas somente o sacrifício vicário de Cristo, o qual, quando recebo pela fé, nos salva. Portanto a base desta justificação é a graça de Deus, que por meio da fé produz no coração do homem arrependido a justificação. Esta justificação é a justiça de Cristo que nos é imputada. Assim, devemos praticar as boas obras!    Rev. Mario