O PRIVILÉGIO DE SER IGREJA, PARABÉNS!

O PRIVILÉGIO DE SER IGREJA, PARABÉNS! ( I Pe. 2:1-10)
Comemoramos hoje, 16 anos de igreja local, no Brasil, 153 anos e no mundo, 495 anos de presbiterianismo. Às vezes a igreja é como uma dor de cabeça. Ninguém quer dor de cabeça, mas também não podemos ficar sem a cabeça. A igreja de Cristo é constituída de pessoas e problemas, porque ela é feita de pecadores. Aliás, só vem para a igreja os piores. “Não vim para os sãos, mas para os doentes”. Mas, a igreja é maravilhosa, é a melhor Comunidade pra se viver. Ela perdurará por toda a eternidade. Neste tempo do aqui e agora, estamos a considerar a igreja visível e a invisível. Pedro escreveu aos cristãos dispersos para animá-los diante da perseguição imperial e lembra aos irmãos o privilégio de sermos igreja: A igreja deve ser santificada. É bem verdade que a igreja já é santificada, pelo sangue de Jesus em obediência a verdade (1 Jo 1.7). Os regenerados pela Palavra de Deus são membros da igreja e têm uma nova vida, mas não somos perfeitos. Não deveríamos pecar, mas pecamos (1 Jo 2.1); A igreja deve crescer com entusiasmo. Tal como crianças recém-nascidas, devemos desejar de coração o leite espiritual puro, para que por meio dele cresçamos para a salvação (1 Pe 2.2). A vida cristã é crescente. Os teólogos usam três expressões para falarem de três tempos da salvação: regeneração, quando recebemos a Jesus como Salvador e Senhor. Esse é um ato passado, consumado e único; santificação, que é a parte que vivemos no presente; e, a glorificação, que trata da vida na eternidade, quando estaremos com o Senhor. A igreja deve ser edificada. Devemos nos aproximar de Jesus. Ele é chamado de pedra viva (1Pe 2.4). Foi rejeitado pelos homens, mas é precioso para Deus. Nós também somos chamados de pedras vivas, utilizados por Deus para a edificação de uma casa espiritual que é a igreja, onde somos sacerdotes, nação santa, povo eleito oferecendo sacrifícios espirituais a Deus por meio de Jesus (1 Pe 2.4-8). Devemos nos empenhar em crescer para a maturidade cristã. A igreja deve assumir sua identidade. Precisamos voltar às origens e assumirmos o que somos como igreja, caso contrário, Deus poderá levantar outros reformadores como fez com Martinho Lutero e João Calvino no Séc. XVI. Vamos servir a Deus com exclusividade. Devemos preservar em nossa igreja a sua identidade litúrgica, teológica e sistema de governo. Somos cristãos protestantes reformados – presbiterianos. A Bíblia diz que somos uma geração eleita, todos que fazem parte da igreja foram escolhidos mediante a vontade soberana de Deus e por sua graça maravilhosa. Só assim podemos anunciar as grandezas do Deus que nos chamou das trevas do pecado para sua maravilhosa luz (1 Pe 2.9).  Antes, nem sequer éramos povo, mas agora somos povo de Deus; não sabíamos o que era bondade em nosso favor, mas agora temos recebido misericórdia da parte de Deus (v. 10).  Deus nos ajude, e que possamos nos entusiasmar pelo privilégio de sermos Igreja de Jesus, povo de Deus. Parabéns!      Rev. Mário Ramos