O PODER INIGUALÀVEL DO AMOR

ANO VI – Nº 130 – BOLETIM DOMINICAL – 12 DE MARÇO DE 2011
O PODER INIGUALÀVEL DO AMOR
Texto Básico – I Cor. 13: 1-8

A palavra amor no original grego é diversificada. A qualidade do amor que focalizamos nesta oportunidade tem a ver com o amor- Ágape. É com essa qualidade, quantidade e natureza de amor, que Deus nos amou em Cristo Jesus o Nosso Senhor. A importância real deste vero amor, é evidenciado na doação de seu único Filho aos homens pecadores. Diz a Bíblia. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. (Jo. 3:16). A prova cabal deste amor nos é comunicada em fatos e verdades históricos insofismáveis. De modo que a todos nos constrange. “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”. (Rm. 5:8).
Assim, o amor de Deus nos impele a que agimos de igual forma. Este amor é valioso. Este amor é uma ressônia no trato com o amor divino que opera em nós. Da mesma maneira, devemos amar a Deus. O nosso amor a Deus é traduzido em temor santo. Este amor é sinônimo de honras a Deus. Este amor se concretiza na adoração e no louvor a Deus. Este amor se cumpre, se realiza e se legitima, quando amamos o nosso próximo como a nós mesmos. O nosso mundo moderno tornou-se um campo fértil e oportuno para a manifestação do verdadeiro amor. Nós fomos salvos em Cristo em amor. E nesta perspectiva do amor transformador é que devemos viver. O poder deste amor é inigualável, porque ele vem de Deus e nutre o coração regenerado do Cristão. Portanto, o Cristão tem uma variedade de formas para, pelo poder do amor operar as maravilhas divinas. Exemplos simples e práticos de uma ação amorosa, entre outras: Amor a casa de Deus, na nossa ação zelosa na limpeza e no trato diário; amor expresso na boa aparência interna do templo quando retiramos dos bancos, alguns Hinários esfacelados; quando retiramos coisas em execesso do púlpito que tanto enfeiam como caixa de madeira ali na frente, a cortina mal estendida, papeis e pastas sobre a mesa; amor manifesto quando se chega na hora do ensaio da Equipe, com tempo bastante para afinar os instrumentos; amor sublime quando se dá o melhor na participação fervorosa do culto; amor que transcende e contagia quando olhamos e abraçamos os irmãos com aquele calor cristão; amor que nos enche de orgulho e satisfação plena, quando vamos à frente consagrar o dízimo do Senhor e ainda depositar as ofertas; amor cujo poder nos vence e nos refina, quando na renúncia de nós mesmos, nos esvaziamos para sermos cheios da Palavra de Deus. Esse amor constante e pleno na vida do adorador faz sempre a diferença. Faz do culto um memorial aceito por Deus e ao mesmo tempo, um oráculo de poder e de grandes bênçãos na vida dos fiéis. O Apóstolo Paulo, quando escreve aos crentes em Éfesos, deixa muito claro o propósito de Deus para com eles quanto ao revestimento em poder e em amor:”…vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior” (Ef. 3:16). E mais: “Assim habite Cristo nos vossos corações, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor”(Ef. 3:17). Amados, somente este amor redentor revelado na cruz, na pessoa do Salvador Jesus, é eficiente e suficiente para uma total transformação do coração humano e da sociedade. “Transforma o coração do homem e toda a sociedade será transformada”: Rubem Alves.

Rev. Mário Ramos