O GOVERNO DA IGREJA

Nº 284 – BOLETIM DOMINICAL- 27  DE JULHO DE 2014

 O GOVERNO DA IGREJA – Tito 1:5-9.

 O Conselho, no dia 19/07, em sua reunião, resolveu convocar a Assembléia Extraordinária para a eleição de dois Presbíteros e um Diácono, no dia 03 de Agosto às 19hs. O Conselho encaminhou para Presbíteros os nomes: Elson Bastos Xavier, Vani Chinaider de Oliveira e Wagner Jordan; e para Diácono, Murilo Gurgel. Precisamos entender que, a Assembléia tem o direito de indicar outros nomes conforme os Estatutos da Igreja e a CI/IPB. Precisamos considerar que o papel dos presbíteros em nossa denominação tem sido apequenado por falta de uma representação paritária nos Concílios da Igreja. Indagamos, por vezes, sobre as escolhas que as Assembléias de nossas Igrejas fazem. São elas instruídas quanto ao chamado, à vocação o papel e importância dos presbíteros da igreja de Cristo? Muitos são ordenados sem sequer serem instruídos quanto à doutrina, governo, princípios da Igreja e disciplina da IPB. Vemos aqueles que na prática, abraçam doutrinas heterodoxas como o arminianismo, o pentecostalismo e até ao sincretismo religioso. Seremos justos em confessarmos que até entre os “presbíteros docentes” (Pastores), existem aqueles híbridos, isso para o nosso próprio espanto e tristeza. Temos a lamentar o grande número de Pastores despojados nos últimos dois anos e de Presbíteros excluídos por falta de fidelidade doutrinária. Nossa IPB chama-se “Presbiteriana” o que equivale dizer – é governada por Presbíteros (Docente e Regente), com o seu sistema bíblico de governo. Uma igreja com presbíteros vocacionados, conscientes de seu chamado, que pastoreiem o rebanho do Senhor com discernimento e conhecimento, que amem a doutrina bíblico-reformada a que adotamos, que conheçam as leis de nossa igreja e a beleza de nosso sistema, há de ser, nas mãos de Deus, uma bênção (Tito 1: 5-9; I Tm. 3:1-16). Os Conselhos das Igrejas locais, são os mais importantes da denominação. Se não entenderem seus papéis, via de regra, ou se inclinarão para o congregacionalismo ou para o episcopalismo, ambos regimes nefastos para a nossa visão sobre quem, efetivamente, preside a igreja de Cristo. É Cristo, o seu presidente que preside a sua igreja por meio dos Concílios regularmente formados e instituídos.   Rev. Mario