O FARISEU GAMALIEL E O SEU PARECER

Nº 117  BOLETIM DOMINICAL- 17 DE SETEMBRO DE 2017

O FARISEU GAMALIEL E O SEU PARECER – Atos 5:33-42

Jerusalém era uma cidade “apocalíptica” e fadada às fatalidades nos dias do Senhor Jesus. A começar pelo Sinédrio, um Tribunal Canônico (religioso), sob uma tremenda influência política representada pelos Sumo Sacerdotes Anás e o seu genro Caifás. Este Sumo Sacerdote convocou o Sinédrio e revelou três noticias bombásticas: 1) Que Jesus Cristo era o Messias profetizado; 2) Que o Messias-Jesus, veio morrer a morte “substitutiva”, a expiação vicária, a doutrina central da fé cristã (Jo. 11:49-52); e 3) Decidiu pela morte de Jesus naquela reunião (Jo:11:53). Caifás, mal podia perceber o significado pleno de suas profecias (Jo.18:12-14). Diante deste contexto político-religioso, os Saduceus assumiram a liderança contra os apóstolos de Jesus Cristo. Agora, entretanto, vemos o Sinédrio reunido com a presença de Gamaliel, um fariseu proeminente, grande mestre e professor de um certo Saulo de Tarso, também um fariseu, zeloso da lei – um legalista. No momento em que o Sinédrio estava para adotar medidas violentas contra os apóstolos, ele interveio. Seja na Igreja ou nos Concílios, há um momento certo e oportuno para se fazer intervenções que representem o consenso e o bom senso, foi exatamente, o que fez Gamaliel. No seu parecer, Gamaliel traz os presentes do nível das emoções exacerbadas para o nível da razão equilibrada: “Israelitas, atentai bem no que ides fazer a estes homens”. Com esta advertência, ele já declarou o seu voto. Agora, Gamaliel esperava convencer a mais alguns e cita dois exemplos: Teudas e Judas, o Galileu. Naqueles dias, aconteceram uma rápida sucessão de líderes incendiários (fogo estranho) que se apresentaram como Salvadores da Pátria. Tanto Teudas quanto Judas, o Galileu, eram astutos, carismáticos e persuasivos. Tinham uma forte liderança e mobilizaram multidões.  Porém, estes dois logo pereceram e seus seguidores foram dispersos. Nesta linha de raciocínio, vem a lógica fulminante de Gamaliel: “daí de mão a estes homens, porque se esta obra ou este movimento vem de homens, vai desaparecer; e se vem de Deus, não podereis destruí-los e dar-se-á o caso de estardes lutando contra Deus”. E concordaram com ele. Os apóstolos foram reconhecidos, porém, rejeitados. Foram salvos da morte, contudo, receberam alguns açoites. Foi uma boa oportunidade de demonstrar sua fidelidade a Cristo; e mostrar que Cristo era real em suas vidas. Rev. Mario Ramos