O EVANGELHO ETERNO: JUSTIÇA E JUÍZO

Nº 250 –  BOLETIM DOMINICAL – 12 DE  JULHO DE 2020

O EVANGELHO ETERNO: JUSTIÇA E JUÍZO – Isaías 6:1-13

Confessamos que a salvação é  só em Cristo. Declaramos que As Boas No-vas do Evangelho é o anúncio dessa salvação: Jesus Cristo! Contra a teologia liberal, que eliminara a infinita distância que separa o homem de Deus e a razão da Revelação, K. Barth, inspirando-se em Kierkegaard, reivindica a “infinita diferença qualitativa” entre religião natural e Revelação, entre filosofia e Bíblia. A palavra EVANGELHO, quer dizer “Boas Novas” de Deus aos homens. Para P. Tillich, “ a teologia é o Logos da Revelação, é a palavra racional sobre aquilo que se manifesta na Revelação. Daí que, a consequencia primeira da alienação ontológica ocorrida na Queda (Adão-Eva), é alienação “teológica”. A Queda consiste do desligamento (ruptura), da vida do fundamento do Ser ( Deus), e na constituição de sua finitude. As Boas Novas, o Evangelho, é a mensagem da Nova Criação em Cristo, do Novo Ser, da Nova Realidade, que apareceu com a Encarnação do Verbo. No Evangelho, Deus proclama Seu amor ao mundo e o desejo de que todos sejam salvos (Redenção é universal, Salvação é pessoal); No Evangelho, Deus revela o único Caminho da salvação: Jesus Cristo; No Evangelho Deus promete a vida eterna a todos os que verdadeiramente se arrependem e creêm em Cristo (a expiação em Cristo é suficiente a todos porém, eficiente a aguns); No Evangelho, Deus convida a todos para que aceitem e recebam a misericórdia, a Graça e a fé evangélica que lhes são ofe- recidas (Encarnação do Verbo – Reino de Deus); O Profeta Isaías, no texto em epígrafe, anuncia o Evangelho eterno, cuja natureza é pré-existente. É divino e vem de Deus! Assim como no Apocalípse, 14:6-12, “…um evangelho eterno para aos que se assentam sobre a terra…os que guardam  os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (vs. 6 e 12). No Evangelho, Deus insiste com os homens, através do Espírito Santos, para que aceitem o Seu bondoso convite para a salvação e para a vida eterna. As voses dos anjos soam, anunciando salvação e julgamento. As Boas Novas do Evangelho, salvam e julgam. É preciso falar esta verdade. A pregação do Evangelho não é curanderismo, exorcismo, psicologia, utopismo e escapismo. Disse Isaías: “Ai de mim!” Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios” (Vs. 5). Mas o Senhor Todo-Poderoso está no Altar. O Altar simbolisa e tipifica Cristo. O Redentor. A iniquidade de Isaías foi tirada e perdoado o teu pecado (V.7). Isaías recebe o desafio do  convite e do anuncio do Evangelho.O profeta é honesto quanto a essência da mensagem do amor de Deus e da ira divina. Isaías estar consciente da essência e natureza do Evangelho: Justiça e Juízo. Isaías ouve e obedece a voz de Deus: “Vai, e dize a este povo:” (v.9-13). Se a religião é uma produção da sociedade globalizada (Marx, Weber e Durkheim), e que não é um fenômeno recente, diz  historiador francês, F. Coulanges. O Evangelho é a boa notícia de que Deus, em Cristo, cumpriu a Sua Eterna Promessa ( Ef.1:3-22 ), enviando o Seu Filho  ao mundo para salvar e julgar (Mc.16:15-16)  Rev. Mario