O EVANGELHO BÍBLICO E A  FÉ REFORMADA

Nº 251 –  BOLETIM DOMINICAL – 19 DE  JULHO DE 2020

O EVANGELHO BÍBLICO E A  FÉ REFORMADA –  Rom. 5:1-21

Vamos botar os Pingos nos Is! Ch. Spurgeon, teólogo britânico, Pastor Batista, pregador internacional foi um dos maiores calvinistas de todos os tempos. Em sua euforia, disse Spurgeon: “O Calvinismo é o próprio Evangelho” – “Eu prego o calvinismo porque João Calvino, Santo Agostinho, o Apóstolo Paulo pregaram e ensinaram.” Há uma sensação de que no Brasil, “sequestraram” o Evangelho, a Fé Reformada e a Política. A Reforma Protestante no Séc. XVI, entre outras coisas, separou o Estado da Igreja. Estabeleceu os pilares da fé reformada.  As Solas, do latim, “somente”. Sola Fide (Fé), Sola Scriptura (Escritura), Solus Christus (Cristo), Sola Gratia (Graça), e Soli Deo Glória (Glória só a Deus). “A fé calvinista é mais do que Status vazio, e que o homem reformado vive plenamente, partindo da Palavra, cujo alvo final é a gloria de Deus. Grandeza humana reside em sua semelhança com Deus.” (Rv. Hermisten). A Reforma Teológica, além de resgatar o Evangelho Bíblico, retornou à tradição da fé ensinada, pregada e vivida na Igreja Primitiva, inaugurada, pelo Cristo Ressurreto, por processão do Espírito Santo em Atos Cap. 2. Como disse Oscar Cullmann, em seu método “histórico-soteriológico:”Para conhecer a linha que conduz de Israel a Cristo e de Cristo à Igreja, não basta sermos historiadores, mas tambem, é preciso sermos teológos.” O movimento reformista, sopesou  a política, a economia e a religião, produzindo rupturas e expurgos do autêntico cristianismo do romanismo. O fundamento do Evangelho genuino, pulverizado, tem como teor bíblico e não as experiências pessoais. A Reforma Protestante legitimou a quebra da fé na autoridade pela autoridade da fé. A quebra da ideologia do poder, no poder da ideologia ( Marx ). A Religião serve ao Estado e tem como devoção o deus-mamom (Mt 6:24). A este Jesus respondeu (Mt.6:33). Café Filho, membro da Igreja Presbiteriana em Natal/RN, foi o único evangélico  Presidente do Brasil, 1954, sendo o 18º Presidente da República, sua ascensão ao posto, longe foi, do  triunfalismo político, demonstrou em seu governo e vida pessoal, o real valor do Evangelho. No atual governo alguns Ministros presbiterianos têm a oportunidade de servir ao País e do bom testemunho do Evangelho. Oremos! Deus responde as orações mas, não atende caprichos. A Reforma Religiosa é sinônimo de erudição teológica. Na história correspondeu aos anseios de maior espiritualidade. Foi a partir das Espítolas Pastorais, Gerais e Teologais de Paulo, que o Evangelho foi escrito. A Reforma Religiosa, foi possível, neste contexto de sublimidade teológico-espiritual. O Evangelho bíblico de cuja fé reformada, tem como conteúdo o próprio Cristo, e como resultado a eternidade de Glória em Deus. O Evangelho é: 1) A Proclamação Bíblica Que Gera Autoridade (I Tm.4:9); 2) A Proclamação Bíblica Que Põe Em Evidência a Verdade Divina (II Pd.1:16,19); 3) A Proclamação Bíblica Que Atinge Propósito Divino (Is. 55:11). Sem o apoio das Escrituras a proclamação não é evangélica e torna-se incapaz para preencher o vazio da alma. Rev. Mario