O DEUS DA PROVIDÊNCIA

Nº 240 –  BOLETIM DOMINICAL – 03 DE MAIO DE 2020

O DEUS DA PROVIDÊNCIA –  Mat. 6:25 a 34

Diz Sêneca: “Tudo que vem do acaso é instavel.” O Proverbista diz: “Torre forte é o Senhor, a qual o justo se acolhe e está seguro.” (Pv. 18:10). Dentre esses princípios espirituais refulgem, com fulgor inigualável, os caminhos da Providência de Deus. Não há precedente histórico do grau de miséria, pobreza e humilhação que tomou conta do Brasil. Este triste feriado do Trabalho e dos trabalhores é de cortar o coração pela crueldade do desnivel social, ricos em tempos de fome, pranto e mortes.  Assim precisa ser encarada a Covid-19. É mister crer na coerência entre o Deus-Provedor e Sua Provisão. Apenas, para citar: Isaque e o cordeiro, José e o Egito, Josué na luta e o sol. De igual forma, a coerência, da boca que entoa louvores e discute a desigualdade social. Esta é a política de Deus (Sl.68:5;Tg.2;12-17). O Deus-Provedor, precisa ser conhecido nas Igrejas e honrado (Mat. 6:25-34), e não apenas, a Sua provisão (Sl. 23). Por vezes, a confissão de fé de alguns em nada distoa de Lowrerence Krauss, “que o universo surgiu do nada e por acaso e sem ajuda divina”. É triste  crentes se perguntando: Por que, Deus permitiu tudo isso? Ao invez, de pra quê? Como hoje, igrejas e crentes aliando-se aos ímpios numa guerra religiosa, tola e inutil, ao Covid-19 (Is. 55;8-13; 58:8-12). O Senhor continua no controle do Universo escrevendo Sua História à consumação com mais este Capítulo da Covid-19. Esperemos pacietemente no Senhor! Ele não tem a dar explicações sobre os Seus desígnios. Sabemos disto pela fé em Cristo: o Senhor não está indiferente aos dramas dos Seus filhos. Em segurança cantemos:” As tuas mãos dirigem meu destino; O acaso para mim não haverá! O grande Pai é justo e benfazejo, E sem motivo não me afligirá.” (S. Kalley). É a providência, corolário lógico da criação, que, por isso, se não distinguem. Fora esta consciência de fé e ação cristã, é fazer de Deus um Criador momentâneo, que haja realizado sua obra de uma vez por todas, frígido seria e jejuno. Pois que, se o governo de Deus assim se estende a todas as Suas obras, é pueril cavilação limitá-lo ao influxo da natureza. Deus é a causa primeira, tambem a tudo rege em sua providência (Sl. 115:3). Portanto, impõe-se-nos provar que Deus Se afaz de tal modo a reger e cada evento individual, e de tal sorte provem todos eles de Seu determinado conselho, que nada acontece por acaso. Verdade é como se comprova hoje no mundo de que não está com o homem o arbítrio de seus caminhos. Deus cumpre o papel do melhor feche de família, o Profeta insta que alimento dá Ele a toda carne (Sl.136:25). Chama-nos atenção o texto encimo, (Mat. 6:25-34), o verso 26, “vosso Pai celeste as sustenta: Porventura não valeis vós muito mais do que as aves?”, disse Jesus. Deus não alimenta as aves por meios de milagrosos suprimento, mas por processos naturais que envolvem a terra e o uso que as aves fazem de suas faculdades. De igual modo, o filho (a) de Deus, embora ocasionalmente objeto de milagres, normalmente é cuidado por meios naturais nos caminhos da Providência. Sejamos crentes, não cretinos!  Rev.Mario