NEO-PENTECOSTALISMO E AVIVAMENTO

BOLETIM DOMINICAL- 07 DE JULHO DE 2013

NEO-PENTECOSTALISMO E AVIVAMENTO – Atos 4:23-31

Estamos diante de uma gigantesca onda chamada Neo-Pentecoslismo. A etmologia “neo”, que dizer “Novo”. Trata-se de um movimento religioso surgido na década de 70. Tais movimentos carismáticos  são classificados como os de terceira onda. O neo-pentecostalismo é uma forma de se referir aos grupos que têm surgido em torno de seus líderes carismáticos, sem compromisso com a história da igreja. A “doutrina” do grupo é sabidamente, a doutrina do próprio líder. Ou seja, daquilo que ele acredita, a sua “verdade”, mas que não confessa. Do tipo, “faça o que eu mando, mas não faça o que faço!”. Quando o “movimento” cresce um pouco logo surge outros “líderes”, alguém se rebela e sai, formando um novo grupo, e assim por diante. Eles estão por toda parte: Na TV, nas rádios, e nas ruas. A estratégia de crescimento, começa-se de imediato, com os membros periféricos de outras igrejas, propondo-lhes um “rebatismo espiritual e novos credos”. Por outro lado, sabemos que a Igreja quer vida! A Igreja quer um avivamento, mas não este tipo de pentecostalismo a-cristianizado. É possível ter vida, ter fé, ter entusiasmo, sem ser fanático. O avivamento espiritual como o da Igreja Primitiva em (At. 4: 23-31), é promessa de Deus a Sua Igreja em todas as épocas (At. 1: 8; At. 2:1-4). Mas não se trata de conquista pessoal ou institucional. Biblicamente, o avivamento decorre da presença e da ação do Espírito Santo. Em Hab. 3:2 e Ageu 1:14,  percebe-se claramente que Deus é quem aviva a sua obra. Tudo começa com Deus, passa pela liderança religiosa e política, atinge o povo de Deus como um todo. Os termos bíblicos são: “e todos os que creram estavam juntos”. Não há lugar para formação de grupos, uns julgando-se superiores aos outros, mais espirituais. O Espírito Santo cria unidade. O avivamento divisionista não é obra do Espírito Santo. É fogo de palha ou de “moeda”; o dinheiro tem sido o seu lastro. Os escândalos, tem sido  sua base. É  emoção sem a razão. São os meios e não os fins. É a prática do A-ético contra a ética cristã. Cremos que a Igreja de Cristo nasceu do pentecostes, nasceu da descida do Epírito Santo. A Igreja é Pentecostal, é avivada, cheia de entusiasmo e de poder de Deus.  Rev. Mario Ramos