LAODICÉIA:  APATIA E INDIFERENÇA

Nº 190 BOLETIM DOMINICAL- 14  DE ABRIL DE 2019

LAODICÉIA:  APATIA E INDIFERENÇA – Apoc. 3: 14-22

Laodicéia significa: “direitos do povo” e “Justiça do povo”, representa a  igreja  do Séc XX até a Parousia. É a ERA do antropocentricismo, biocentrismo, consumismo, capitalismo, misticismo e globalismo – num mundo de fome. Laodicéia, edificada como Roma, sobre sete montes, a 60 km a leste de Éfeso, sobre o Rio Lico, era famosa por seus muros e templos. Destruída três vezes por terremoto em 60-62 a. D., (Tácito, Anais 14:27), foi reconstruída por seu próprio esforço e recurso. Era um centro bancário e financeiro. A igreja se vangloriava de suas riquezas e influências – a exemplo  de hoje –  Igrejas ricas e poderosas  em conchavos espúrios com políticos ao derredor de projeto de poder e representação (negação do Reino de Deus), amalgamado pelo “conservadorismo/autoritarismo” ao sabor do neopentecostalismo. Só Deus é Senhor titular de direito sobre o universo, a História e a vida. “Conheço as tuas obras” (v. 15). “nem és frio nem quente.”. A indefinição, a ambivalência e a instabilidade denunciam fraqueza de carácter. Deus zela e valoriza a Sua palavra (Mt. 5:37). O cristão não pode ser neutro, indiferente, formalista e nominal apenas. Quanto mais ligado a Cristo, mais se identifica com Ele. Ao contrário, na escala espiritual, moral e social a palavra é chocante: não és frio nem quente, mas MORNO, provocando náuseas e vômitos. A igreja era desagradavel ao paladar do Senhor, não por seus grandes pecados como em Pérgamo e Tiatira, mas por causa da sua apatia e indiferença. Deus deseja que Seus filhos sejam “fervorosos”, (Rm. 12:11). Não é excessos, distorções e fanatismo. Devemos fugir do espírito morno, insípido e tépido. A queixa de Cristo era sobre a letargia espiritual desta igreja. Era miope, em sua missão integral e integrada à sociedade. “Como dizes: rico sou de nada tenho falta” (v. 17). Infeliz é aquele crente que se acha satisfeito sem nada lhe faltar.  “Bem-aventurados…” (Mat.5:1-11; 6:33). “…nem sabes que és um desgraçado, miseravel, e pobre, e cego, e nú.” (v. 17). É a Igreja sem a graça de Jesus. Era rica porém, pobre para Deus. A pobreza espiritual, escraviza aquele que Têm bens materiais em abudância. Tal como a igreja de Laodicéia, algumas igrejas, visivelmente, tem-se ajoelhado aos pés de Satanás e seus ardis (1 Pe. 5: 2,3,8). A cobiça pela “ganância” e “domínio” desviou o  olhar sereno da Igreja da eternidade. “Eu repreendo quantos amo” (v.19). Se Cristo importou com os crentes de Laodicéia, ao arrependimento, devemos nós hoje igualmente. “Eis que estou a porta e bato” (v. 20). A palavra é dirigida à igreja e não aos descrentes – vergonha e vexame! Como os descrentes, Cristo está tambem excluído da Sua igreja. A igreja deixou o Seu Senhor do lado fora! A única cura à igreja apática e indiferente é abrir a porta e deixar Jesus Cristo entrar. Contudo, Jesus oferece ao vencedor, o assentar-se com Ele em Seu trono e do seu Pai. O vencedor vai reinar com Cristo. Acredite! (v..21; 20:6).  Rev. Mario