JESUS, A FONTE DA ÁGUA DA VIDA

Nº 285 – BOLETIM DOMINICAL- 03  DE AGOSTO DE 2014

JESUS, A FONTE DA ÁGUA DA VIDA – João 7: 25-53

Durante a Festa dos Tabernáculos comemoravam-se os dias de peregrinação no deserto. A água era elemento precioso na festa, lembrando aquela água que o Senhor fez sair da rocha para  saciar o povo de Israel. Antevendo a vinda do Messias, o profeta Zacarias registrou: “Naquele dia também sucederá que correrão de Jerusalém águas vivas” (Zc. 14:8). Jesus é a fonte de água viva. Dele flui o Espírito de Deus. E todo aquele que crer em Jesus recebe pela graça e pode canalizar para outras pessoas esta água inesgotável, porque o seu corpo é a habitação do Espírito Santo. “Quem crer em mim, como diz a Escritura, de seu interior fluirão rios de água viva” (v.38). Percebe-se que esta água viva é a mesma que o Senhor oferece a mulher samaritana. Pelo viés da teologia moral, o sentido do amor responsivo, super dimensiona o Reino de Deus. Jesus se dispõe em mudar radicalmente a vida, o presente e o futuro da samaritana (Jo.4.14). A sede é um problema sério oriundo do pecado individual e, por conseguinte, se transforma num pecado social. Percebe-se, que na esteira deste pecado social, surgem conseqüências de fundo político social. Percebe-se o padecimento, da população mais pobre no Estado de São Paulo, em que o racionamento da água potável, chega às raias do limite. A sede é um alarme que o nosso organismo emite para nos avisar que precisamos de água. É uma necessidade que precisa ser suprida, senão, em certo tempo, morremos. As cenas que nos vêem à mente, sobre o sertão do nordeste brasileiro, é a mais funesta. Percebe-se que Jesus fala que há sede de água e sede de Deus. Porque se nós somos carne, nós também somos espírito. O salmista diz: “A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo” (Sl. 42). Somente a água pode saciar a sede. Somente o Espírito de Deus, habitando em nós, satisfaz plenamente a nossa necessidade de Deus. Sem Jesus, haverá sempre um vazio que nenhuma filosofia, religião ou ciências humanas poderão completar. O convite de Jesus é sempre oportuno e meigo: Ele não impõe, convida:  “Se alguém tem sede, venha a mim e beba”. Jesus cumpriu todo o simbolismo dessa Festa. A rocha ferida no deserto, da qual saiu à água, era tipo de Cristo (Êxd. 17:6 e I Co. 10:4). A decisão é sua! Venha a Cristo, a água Viva!   Rev. Mario