HISTÓRICO DO DIA DOS PAIS

Nº 28 – BOLETIM DOMINICAL- 09 DE AGOSTO DE 2015

HISTÓRICO DO DIA DOS PAIS – I João 3:1-10

Há 68 anos o jornalista Sylvio Behrig trabalhou e lançou uma idéia bem sucedida; a comemoração do Dia do Papai. Visava ele e os que com ele trabalhavam, ao fortalecimento da família. O “DIA DOS PAIS”, seria comemorado no recesso do lar, unindo pais e filhos num clima de amor, de carinho e de reconhecimento, oferecendo oportunidade para manifestaçãoes indispensáveis ao desenvolvimento do grupo familiar. A data foi escolhida acolhendo sugestão do Prof. Walter Poyares, que pensou no  dia do patriarca São Joaquim, pai de Maria, para ser símbolo do “Dia do papai”. Entretanto, 14 de Agosto nem sempre seria no Domingo. Quanto a data, houve uma forte reação pelo comércio paulista pois coindia com outras datas locais. Daí, o segundo domingo ficou prevalecendo em razão de ficar mais próximo do aniversário do patriarca Joaquim. O lançamento do “Dia do papai”, foi lindo  e emocionante, devendo-se em grande parte à influência massificadora da Rádio Globo que levou ao ar em quase todos os intervalos um “jingle”  do grande compositor Miguel Gustavo, o autor de “Prá Frente Brasil” e tantos outros sucessos, no qual Miguel Gustavo destaca a figura do pai em diferentes cenas pitorescas do lar onde é sempre o papai que ressolve tudo. A música falava na sogra e nos presentes, o refrão dizia: “ é sempre o papai, é sempre o papai”. Sylvio Behring, criador do “Dia do Papai”, tarimbado e habilitado a medir por antecipação reações e reflexos da opinião pública, aliou-se à ACM – Associação Cristã de Moços e solicitou o apoio da instituição para o lançamento da data. Elias Nassif, secretário-geral da época, 1953, garantiu uma boa promoção na ACM. O comércio, grande incentivador dessas datas especiais, fez com que o dia do papai fosse lembrado não apernas por uma questão de ”marketing”, mas de euforia, de justiça e de fortalecimento da família. Assim, o 2º Domingo de Agosto é hoje e será sempre o “O Dia dos Pais”. A idéia nasce bíblica e teologicamente correta, pois que no A. Testamento Deus é o EL Shaddai – Deus Todo Poderoso. No N. Tº., Jesus Cristo veio revelar a paternidade de Deus e a fraternidade dos homens!  Rev. Mario Ramos