EUCARISTIA, O VALOR DA COMUNHÃO

BOLETIM DOMINICAL – 26 DE FEVEREIRO DE 2012

EUCARISTIA, O VALOR DA COMUNHÃO: Êx. 12:1-8; Mat. 26:26-28

Vamos neste domingo de comunhão, refletir um pouco sobre o assunto. Na língua grega, comunhão é Koinonia e significa partilhar alguma coisa em comum com alguém ou ter com ela uma íntima participação. Deus é a fonte da comunhão bem como nos chama a vivermos unidos com Ele e com os irmãos em amor. Ele nos diz que fomos chamados a Cristo para vivermos em comunhão. Os quatro pilares dessa íntima comunhão com Cristo e com o nosso próximo, tem como característica, os seguintes elementos distintivos da fé cristã. 1- UNIDADE: A comunhão com Cristo é bem expressa quando afirma que na Eucaristia, (Santa Ceia), quando em memória de Cristo, participamos do sangue e do corpo de Cristo. O próprio Jesus Cristo nos estimula a viver uma comunhão perfeita, quando declara: “… para que todos sejam um … em nós….”. (Jo 17:21). Conclui-se então que tudo o que Cristo é torna-se nosso, e tudo o que somos torna-se d’Ele (vs.. 22,23); 2 – ÁGAPE – Amor a Deus e ao próximo. A comunhão cristã é fundamentada no amor, pelo qual se conhece um discípulo de Cristo (Jo 13:35). Desta forma, infere-se que, quanto mais próximo de Deus alguém estiver, tanto mais íntimo será do seu próximo; ou quanto mais distante de Deus alguém estiver, tanto mais distante estará do seu próximo. A comunhão com os irmãos revela a comunhão que cada um tem com Deus. É impossível dizer que há uma relação íntima e profunda com Deus se a relação com os irmãos não demonstra o mesmo (1Jo 4:20,21); e 3- PERDÃO No Dicionário Jurídico quer dizer, Graça que o chefe de Estado concede a um condenado por crime comum (clementia principis); Na teologia bíblica, quer dizer – remissão ou liberação “deixar ir – soltar”. A comunhão cristã é o veículo de cura dos maus relacionamentos, seja no lar, na igreja ou fora dela. Amor, acolhida, perdão, partilha e doação são os frutos da comunhão. Onde o amor é demonstrado flui um espírito de fraternidade, de lealdade e de transparência, que redunda no apoio ao mais fraco, no levantar do que está caído, na restauração do quebrado e na demonstração do amor ao que está afastado da fé; e 4- A PREEXISTÊNCIA DE CRISTO – A Eucaristia, é a recapitulação do Cristo histórico- o Verbo (Logos) Encarnado (Jo.1:1,14 e 18). Esta revelação mostra a verdadeira natureza divina, sendo esta a base sobre a qual a igreja está estabelecida (vs.6-8). Cristo é eterno! Ele sempre existiu ao lado Pai. Contudo Se encarnou e Se associou a natureza humana e pecadora, embora, sem pecado. (C.F.W. Cap. VIII –II). Testemunhemos em nosso viver diário os valores dessa profunda, doce e mística comunhão. Rev. Mário Ramos