ERRO IMPERDOAVEL DA REJEIÇÃO A CRISTO

Nº 299 – BOLETIM DOMINICAL- 16 DE NOVEMBRO DE 2014

ERRO IMPERDOAVEL DA REJEIÇÃO A CRISTO – João 12: 44-50

Vimos no Domingo passado, João explicando sobre a rejeição de Cristo. Na verdade, desde o Cap. 6 ao 13, temos uma politica de desconstrução da imagem de Jesus, enquanto o Messias. A partir deste texto, vamos entrar na história da paixão de Cristo. Esta fase determina o momento mais cruel da incredulidade. Tambem, a partir de agora, veremos as consequências desta rejeição como um erro imperdoavel, com consequências eternas. Visto que o homem é condenado pelas palavras de Jesus. Esta palavra é condenação para quem a rejeita, e é vida para quem a aceita e pratica. Os ensinos de Jesus equivalem a aceitação de que o monoteismo Judaico, reservava até então, uma revelação a ser feita: a Tri-Unidade. Para os judeus, esta doutrina era uma novidade. Por isso, Jesus reafirma a sua unidade com o Pai (v. 44).  Jesus, afirma aos Judeus, que só era-lhes possivel crer em Deus através dEle (Jo.1:1;14;18;12:44-45). Jesus afirma que haverá um julgamento justo para todos que O rejeitarem (v.48). Jesus afirma que a Palavra que Ele fala é a grande julgadora porque ela vem do Pai (v.49). Jesus na qualidade de Messias, afirma que suas palavras são decisivas tanto a condenação eterna como a Vida eterna. Esta palavra são as Boas Novas, o Evangelho, que não pode ser rejeitado (Mc. 16:15-16). È preciso que seja compreendido que a missão de Jesus Cristo, na sua encarnação, foi a de salvar. A condenação do homem é uma auto-condenaçao. Ao ouvir as palavras de Jesus nós temos liberdade para aceitá-las e, também para rejeitá-las. Rejeitar a palavra é rejeitar a Cristo. Rejeitar a Cristo é rejeitar a Deus, o Pai. Disse Jessus: “Eu e o Pai somos um”, (Jo. 10:30). Há uma terrivel consequencia à palavra de Jesus: O juizo. Há uma bênção indizível na sua aceitação: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada” (Jo. 14:23). Portanto, rejeitar as palavras de Jesus é separar-se de Deus. Guardá-las é ter profunda comunhão com Ele. A escolha é de cada um de nós, individualmente. Há duas opções: Aceitemos a Jesus  e tenhamos a vida eterna ou rejeitamos a Jesus e permaneceremos sob a ira de Deus. Nada é ingno da sublime arte de pregar o Evangelho.        Rev. Mario Ramos