EM JESUS, DEUS ENCARNOU-SE

BOLETIM DOMINICAL- 08 DE DEZEMBRO DE 2013

EM JESUS, DEUS ENCARNOU-SE – João 1: 1-14,18

Neste tempo natalício, concentramos nossas atenções e celebrações no Deus-Encarnado, em Jesus. O mistério da encarnação do Verbo, é um sinal que requer apenas e tão somente a fé. É preciso fechar os olhos e abrir o coração para compreender. “Crê e entenderás”. Este Cristo humano, ou seja, o Verbo de Deus feito carne, é o Jesus histórico e humanizado como nós. É assim que Deus em Cristo, entra na nossa vida e se faz carne em nós. Esta existência histórica de Jesus, é uma realidade concreta, testificada pelas Escrituras (Rm.1:3 e Jo. 1:1,14,18). Acresce a isto, o fato de que, com a virada dos Séc. XVII e XVIII, o movimento racionalista, acreditou-se poder explicar todos os mistérios e as dúvidas, pela ciência. Assim, tem-se tantado encontrar através de relíquias fatos comprovando a existência histórica de Jesus. Tanto o Cristo Humano e quanto o Cristo Teológico, estão presentes a fé dos fiéis. A palavra “Teantropia”, significa – Deus/Homem. Quando falamos do Cristo teológico, referimo-nos aquele Cristo do Altar, o Salvador e Senhor de cada um de nós. Este Cristo é o criador de todas as coisas. No A. Testamento, Ele vem – o Messias. Já no N. Testamento – Ele veio – O Filho de Deus, o Ungido, o Redentor. Quando mensuramos o Cristo Humano – histórico, o Deus-encarnado em Jesus, afirmamos, Ele se fez como a nós homens. Transformou-se homem e assim abriu o caminho para o céu e para a comunhão plena com Ele. Jesus se fez homem e assumiu a natureza humana em termos absolutos, para que o homem experimentasse a natureza divina. Mas o que significa esta palavra central para a fé cristã? Encarnação, deriva do latim “incarnatio”. Santo Inácio de Antioquia – desde o primeiro século –  e, sobretudo, Santo Irineu, usaram este termo refletindo sobre o  Evangelho de  João, em particular sobre a expressão: “o Verbo se fez carne” (Jo 1, 14). Aqui a palavra “carne”, segundo o uso hebraico, indica o homem na sua integralidade, todo o homem, mas propriamente sobre o aspecto da sua transitoriedade e temporalidade, da sua pobreza e contingência.  Encarnação é mais que uma dádiva divina. Não se trata de convenção e sim, a afeição – amor. Encarnação, responde à pergunta: “Quem é o homem?”. Somente em Jesus se manifesta plenamente o projeto de Deus sobre o ser humano: Ele é o homem definitivo segundo Deus. Rev. Mario