É NATAL, NÃO EM DEUS, MAS COM DEUS!

Nº 224 –  BOLETIM DOMINICAL – 15 DEZEMBRO DE 2019

É NATAL, NÃO EM DEUS, MAS COM DEUS! – Lc. 2: 01-20

Nasceu o Salvador, é Cristo, Nosso Senhor! O Messias prometido que chegou e veio até nós e entrou em nossa casa. É o Emanuel, Deus conoso. Crisóstomo comentava: “Não em Deus, mas com Deus, como pessoa com pessoa, eternamente.” E o Verbo era Deus..” (Jo. 1:1). Deus conosco em promessa e em Graça. Deus conosco homens, Deus conosco pecadores. Deus conosco como um de nós, identificado conosco em tudo, exceção feita ao pecado. Ele não pecou. Ele foi feito pecado, para que nEle, fossemos feitos justiça de Deus (Isaías 53:1-12). Apesar de nossa tradição religiosa judaico-cristão, ao contrário deste, nós somos cristãos, pois, cremos e seguimos o Cristo da nossa fé e Salvação. Somente Cristo é a nossa Âncora ao messianismo e ao milenismo. É sim, uma Utopia fática bíblico-cristológico. É o primeiro maior e o mais importante milagre, a sua ENCARNAÇÃO. Paulo faz da encarnação do Verbo – o “Logos” – o fato central de nossa religião, que não se confina ao mero nascimento de Jesus, mas deve ser entendida em sua dimensão macrofísica da diofísica do Verbo, o SER divino-Humano, à sua morte e à sua ressurreição. É Deus manifestado na carne! A hipostática – “suas duas naturezas inteiras, perfeitas e distintas – a Divindade e Humanidade, inseparavelmente numa só Pessoa, sem conversão, composição ou confusão…” Jesus Cristo, não se trata de um neném ou homem que foi “divinizado” até ao ponto de convencer-Se, tornar-Se ou ser feito Filho de Deus. Esta é uma heresia refinada que parece de tempo em tempo na história da Igreja, e conhecida como adocionismo ou monofisismo, no caso de Apolinário de Laodiceia em 450 a. C. Não, mil vezes não! Jesus Cristo não foi um homem divinizado; mas é Deus que se encarnou: “E o verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai” (Jo.1:14,18). Desta maneira nasceu o  Salvador do mundo! Rei dos reis e Senhores dos senhores. Acerca de Jesus se pode dizer com a voz solta na cara: O filho do carpinteiro, um herói, um artista adieterno que com três pregos e um madeiro fez a reforma do mundo e restaurou a sua essência. É tempo de prostrar e adorar. “Exultai, ó terra e céus, dando glória ao Homem-Deus!” Cristo, eternamente honrado, do seu trono se ausentou! E entre os homens, encarnado, Deus conosco se mostrou. Quão bondosa Divindade! Quão gloriosa Humanidade! Salve Cristo, Emanuel!, Luz do mundo, Deus fiel! – N.C -240. Este é o real espírito do Natal, Deus conosco! Sua “extraterrenidade” e Sua espiritualidade do Natal é bem diferente de todos nós pecadores. O Cristo veio de Deus, Ele é a Segunda Pessoa da Trindade. Ele é preexistente e eterno. Deus de Deus; Luz de luz; Verdadeiro Deus, de verdadeiro Deus. Ele é “Emanuel” – Deus conosco! Deus Encarnado! Assim como o Espírito Santo é Deus habitando em nós. Jesus é encarnacional, integral e pleno. Ele é o Senhor!  Natal é Amor!      Rev. Ramos

 

 

Dê o seu presente a Jesus, voce!  Rv. Mario