É DEUS QUEM FAZ A HISTÓRIA

Nº 77 – BOLETIM DOMINICAL- 30 DE OUTUBRO DE 2016

É DEUS QUEM FAZ A HISTÓRIA – 2º Timóteo 2: 8-15

Hoje comemoramos no Brasil e no mundo os 499 anos de Reforma Religiosa. Nós, os presbiterianos, que adotamos as doutrinas calvinistas de João Calvino (1509-1564), o Reformador de Genebra na Suíça,  e que havendo este movimento chegado à Escócia recebendo o nome de Igreja Presbiteriana, por João Kinox (1514-1572). Por ser a Igreja  governada por Presbíteros. O movimento reformista foi mais um extraordinário mover de Deus na história a exemplo do que Deus realizou nas páginas do A. e do N. Testamento. “Jesus Cristo ontem e hoje é o mesmo, e o será para sempre” (Heb. 13.8). Deus faz a História e usa homens e mulheres como seus instrumentos. A Reforma Protestante é mais um milagre do Senhor em plena Idade Média, ou das Trevas, nesta ordem de eventos divinos: 1) A Renascença do Séc. XIV e a Reforma –  várias transformações sociais, na Cultura, na economia, na política e na religião. A renascença em curso na Europa abriu caminho a Reforma Religiosa, uma sobrepondo a outra. Os precursores da Reforma são: Jerônimo Savonarola, João Huss, João Wycliff e Erasmo de Roterdã, o humanista; 2) A Reforma Protestante em 31 de Outubro de 1517 –  através de Martinho Lutero, e suas 95 Teses afixadas na porta da Igreja de Wittemberg, na Alemanha, estava declarado o PROTESTO.  Enquanto isto, João Calvino, o príncipe dos teólogos, consolidava o Movimento Reformista e o fez disseminar por toda a Europa e Países Baixos, como um rastilho de pólvora. Aludimos ainda personagens como: Ulrico Zuinglio, Melancton, Guilherme Farel, Deodoro de Beza. Aliás, os monumentos em Genebra reservam a memória destes e de João Calvino, enquanto na Escócia o de João Kinok. Os Primados da Reforma são: Somente Deus; Somente Cristo; Somente a fé; Somente a Graça e Somente as Escrituras; 3) A Reforma e a Contra Reforma – O desespero da Igreja Católica Romana, engenhou algumas táticas para destruir a Reforma, mas tarde demais. Um conjunto de medidas foram adotadas pelos líderes da Contra-Reforma, tendo em vista deter o avanço do protestantismo. Entre essas medidas, destacam-se a aprovação da ordem dos jesuítas, a convocação do Concílio de Trento e o restabelecimento da Inquisição. No entento, a história tem o seu Autor legítimo,  que é Deus!      Rev. Mario Ramos