DESVENDANDO O APOCALIPSE

Nº 182  BOLETIM DOMINICAL- 17 DE FEVEREIRO DE 2019

DESVENDANDO O APOCALIPSE – Ap. 1:1-11(19)

Apocalípse, no grego que dizer, “REVELAÇÃO”, ou ato de fazer conhecido. Todos os livros da Bíblia são uma revelação, mas especialmente este. O cristianismo não é um sistema doutrinário ou uma religião de mistérios. É sim, o ideário sobre o anúncio das Boas Novas de transformação de vidas. A teologia da escatologia é a aplicação da “teologia da esperança” a qual, tem base, o Cristo crucificado e Ressurreto. Dessarte, no pensamento de Bultmann e Moltmann, a dialética “analepse flashback” e “prolepse – eschaton”, indicam a presença do futuro de uma pessoa específica, exclusivamente no Cristo crucificado, como dizia o ilustre missionário John Stott em seu livro: “ A Cruz de Cristo”. O Apocalípse, condena o cristianismo que tem um Deus sem um futuro e muito mais, o ateismo que proclama um futuro sem Deus. Certamente o Apocalípse não é um enígma sem solução, para a Igreja de Jesus desprezar, se contentando com a “meia verdade” sucumbindo ante a teologia política. Mas a revelação de Jesus Cristo glorificado em que Ele nos revela muitas coisas práticas e indispensáveis ( 1: 19). A revelação é de Deus e obedece uma hierarquia: Deus revela; a Jesus Cristo; enviou ao Anjo Gabriel; notificou a João; e este aos seus conservos, “às sete igrejas que se encontram na Ásia…”.(1: 1,4). Há sete bem-aventuranças nesta revelação de Jesus Cristo. Esta é a primeira em três níveis: “aqueles que lêem”, “aqueles que ouvem” e “ aqueles que guardam” (v.3), as demais estão em ( 14:13; 16:15; 19:9; 20:6; 22:7,14). A revelação nos fala sobre a sua natureza e qualidade e não quanto ao tempo de sua ocorrência, pois “o tempo está próximo.” (Apoc. 1:3; At. 1:7). O Apocalípse projeta seu foco sobre Jesus após a ascensão, o Cristo glorificado. Aqui subjaz a “teologia da esperança”, nos leva a pensar que não se deve enfrentar as tribulações, perseguições, sofrimentos, dor e a morte como realidades últimas mas, acreditar na vitória a eternizar aos santos (Apoc. 14:13). Continua…        Rev. Mario

 

Rev. Mario Ramos