DEMOCRACIA ATUAL INDUZIDA

DEMOCRACIA ATUAL INDUZIDA – CONTROLADA – CIRCUNSCRITA

 

VOCÊ É DONO DO SEU VOTO!

 

 

 

 

EM TEMPOS DE MENTIRAS UNIVERSAIS, DIZER A VERDADE SE TORNA UM ATO REVOLUCIONÁRIO

 

Democracia é o governo do povo. Regime em que o cidadão comum participa do governo, através do voto ético, livre, responsável e consciente. Participa diretamente, no caso de um plebiscito; e indiretamente, quando elege os seus representantes pelo sufrágio universal  do voto. Todo o poder do Estado emana do povo. A democracia não recusa o fundamento do poder do Estado. A fonte do poder é do povo. A força do povo está no voto, na poderosa manifestação cívica  e na influência da opinião pública. É possível, doutrinariamente, expressar esta mesma verdade de outra forma ou seja: “O poder pertence ao povo e, somente por delegação explicita do povo é, legitimamente exercido em seu nome, temporariamente”. O povo delega o exercício do poder, mas continua sendo seu legítimo detentor deste poder. Ao postulado da liberdade e igualdade dos indivíduos responde o postulado de incorporar-se à comunidade e reconhecer a autoridade que exercem os eleitos sobre o povo, por delegação do próprio povo. A livre crítica aos atos governamentais é a essência da democracia; e o seu exercício, pelo parlamento, constitui a missão da oposição responsável. A liberdade morre na democracia, quando a maioria exerce violência sobre a minoria. A condição primeira da democracia é a educação política do individuo. Aprende-se democracia, exercendo-a. Adquire-se conhecimento político, refletindo, debatendo e comparando os governos. A história dos Partidos e a vida de seus candidatos são o conteúdo da boa formação.  Socialmente, a democracia exige uma economia orientada para a utilidade pública, para o bem comum e para uma melhor qualidade de vida. A democracia material e efetiva é aquela em que todos têm a oportunidade de igualdade; ou seja, uma gestão pública em que a inclusão social contemple todas às classes. A democracia é saudável sem adjetivação: Democracia Popular, pode desembocar na ditadura do partido único; Democracia Dirigida, pode dar lugar às oligarquias no poder; Democracia Cristã, um termo usado pela primeira vez, na “RERUM NOVARUM”pelo Papa Leão XIII (1981), não faz justiça ao adjetivo cristã. É pura ilusão pensar em democracia plenamente cristã. A essência da liberdade e dos valores tem muito do cristianismo, mas ela não chega a ser cristã; Democracia Social, pode embutir ideologia que tem o potencial de ser sua própria antítese; Democracia Atual, Induzida e Controlada, é o que estamos presenciando há décadas no Brasil. A Grande Mídia se constituiu num “QUARTO PODER”. Trata-se de uma relação de moeda de troca política. O “Quarto poder” é uma expressão criada para qualificar, de modo livre, o poder das mídias em alusão aos outros três poderes típicos do Estado democrático: Legislativo, Executivo e Judiciário. Esta expressão refere-se ao poder dos meios de comunicação quanto à sua capacidade de manejar a opinião pública, a ponto de ditar regras de comportamento, influenciar as escolhas dos indivíduos e da própria sociedade, controlando de forma circunscrita, em que os resultados são trabalhados pelos Institutos de Pesquisas para um determinado Partido Político de sua total conveniência. Lembremo-nos do escândalo – (GLOBO – TELEBRÁS – FHC) na era FHC/PSDB, (1998-2002). Transcrevo: J.W.C. “…quando começaram as PRIVATIZAÇÕES,  o (Globo Comunicações e Participações S/A) recebeu as benesses do Estado através do BNDES R$ 16.9 milhões. Não bastasse, os Sistemas de Comunicações foram contemplados, nos leilões das privatizações, como foi o caso da TELEBRÁS, Globopar, e a cobertura jornalística do diário O Globo sobre os dois principais fatos do ano de 1998 em política e economia: a reeleição do presidente Fernando Henrique Cardoso e a privatização das empresas de telecomunicações do sistema Telebrás – processo no qual a Globopar foi compradora de três operadoras de telefonia celular. O trabalho discute o posicionamento ético e de lealdade com o leitor da empresa jornalística de Roberto Marinho, sendo o próprio governo de FHC um dos credores da Globo, por meio do BNDES”. Leonel Brizola foi o único político a posicionar-se claramente sobre o assunto, afirmando que sem a democratização dos meios de comunicação tornar-se impossível atingirmos a democracia em nosso país. Os pleitos são influenciados pelo poder da mídia, pelo país afora assistimos proprietários de rádio, jornais, serem candidatos a cargos eletivos ou alguém da família, ou do circulo de poder. Estamos, mais uma vez, diante de um escândalo de intervenção na Democracia brasileira pelo “Quarto Poder”. Vamos denunciar e agir na defesa de nossa Democracia a qual estar sendo conduzida ao matadouro.

 

 

 

.LUTEMOS POR NOSSA DEMOCRACIA!

.SEJA DONO DO SEU VOTO!

.VOTE EM PAZ, LIVRE E CONSCIENTE!

 

 

 

 

“A democracia não pretende criar santos, mas fazer justiça”.  (Paulo Freire)

Curitiba – PR, 16 de Outubro de 2014.

 

 

 

Mario Ramos