CULTO DO SENHOR E LITURGIA

Nº 70 – BOLETIM DOMINICAL- 11 DE SETEMBRO 2016

CULTO DO SENHOR E LITURGIA – Rm. 12: 1:1-2

Oferecemos à Igreja a temática acima pois, nos sentimos a vontade pelo fato de termos apresentado como sendo a nossa Tese ao Presbitério, há 26 anos, na conclusão da FaculdadeTeológica. Nossas Igrejas históricas preservam a tradição do culto do Senhor, constituído por seus elementos circunstanciais, que chamamos de liturgia. Vemos em nossos dias assombrosos uma pléiade de invenções doutrinárias e modelos de “cultos”; ou seja, sessões espirituais, show da fé, festa gospel etc., como se culto fosse. Vemos descaradamente em nome do Culto, uma espécie de espiritismo evangèlico ao sabor do sincretismo religioso. E este pautado por uma fé mercantilista justificando a sua razão de ser. O Culto foi constituído por Deus como o meio de adoração. A Confissão de Fé de Westminster, no cap. 21 art. 1, nos dá uma clara definição do que é o Princípio Regulador do culto. Ela diz:“…o modo aceitável de adorar o verdadeiro Deus é instituído por ele mesmo e tão limitado pela sua vontade revelada, que não deve ser adorado segundo as imaginações e invenções dos homens ou sugestões de Satanás nem sob qualquer representação visível ou de qualquer outro modo não prescrito nas Santas Escrituras”. Os seus elementos circunstanciais da liturgia estão pré-determinados na Bíblia: “A leitura das Escrituras com o temor divino, a sã pregação da palavra e a consciente atenção a ela em obediência a Deus, com inteligência, fé e reverência; o cantar salmos com graças no coração, bem como a devida administração e digna recepção dos sacramentos instituídos por Cristo – são partes do ordinário culto de Deus”. Podemos incluir, a consagração dos dízimos e das ofertas observados os princípios bíblicos, ético e espiritual que este elemento propõem a fidelidade do adorador. A ordenança do Culto está em (Is. 6:1-6; Rm. 12:1-2)), embora Adão e Eva e seus filhos já adorassem desde o início da revelação (Gn. 4); Já os elementos estão previstos em três passagens como: Ef. 5: 18-21; Col. 3:16-17; I Co. 14:26-40. É bom lembrarmos que o Princípio Regulador do Culto foi criado com dois propósitos básicos. 1. Eliminar do culto cristão toda idolatria;  2);Proteger a liberdade de consciência.     Rev. Mario Ramos