Campanha Pró-Reforma

Conheça mais nossa Comunidade e nosso Projeto!

 

CAMPANHA PRÓ-REFORMA E AMPLIAÇÃO DO TEMPLO

Lançamento:

20 de fevereiro de 2011

IGREJA PRESBITERIANA DO AFONSO PENA

O Objetivo da Igreja – A Igreja tem como seu objetivo mais premente, a divulgação do Evangelho de Cristo, no Brasil e no mundo, desde o seu gênesis. Postado na Reforma Religiosa do Sec. XVI. As doutrinas Presbiterianas Calvinistas (João Calvino), foram determinantes dentro do processo de regeneração, transformação e evolução dos povos na Europa, Reino Unido e na América do Norte. A pujança da fé Cristã Reformada, expandiu-se e atravessou o oceâno, aportando na América do Sul, Brasil, na Cidade do Rio de Janeiro, em 18 de Agosto de 1859, na pessoa do Missionário Hashebel Green Simonton, com a sua esposa Helen Simonton e duas filhas menores. Do coração do Brasil imperial, Rio de Janeiro, irradiou-se o Evangelho, sedimentando o solo brasileiro. A Igreja Presbiteriana do Brasil, que já comemorou os seus 151 anos de profícua existência, tem o seu lastro histórico intrínseco na história do Brasil. Nossas características de Igreja fraterna e suas doutrinas, são as marcas distintivas apostólicas, que nos deram a credibilidade ao princípio de autoridade eclesiástica, no anúncio da Fé Cristã Reformada desde o Brasil Colônia. A importância da obra Presbiteriana em nossa Pátria, se fez sentir em todo o torrão brasileiro, de Norte a Sul e de Leste a Oeste. A obra é realizada em meio às lutas e tremendos desafios. Mas o Pai do Céu, sempre presente e fiel, tem sido generoso, suprindo às necessidades e convergindo favoravelmente todas e quaisquer circunstâncias até aqui. O nosso compromisso com o Evangelho advindo da América do Norte, tem sido originalmente anunciado, testemunhado e praticado na sua inteireza, atendendo ao tripé ministerial: EVANGELIZAÇÃO, EDUCAÇÃO E AÇÃO SOCIAL. As nossas Instituições Para-eclesiásticas, espalhadas pelo País inteiro, dão-nos conta dessa verdade. Todavia, precisamos e desejamos empreender muito mais, proporcionalmente, ao tamanho dos desafios de nossa querida nação. E para alcançarmos, a consecução do projeto, estamos confiantes na providência do Deus-Providente. A começar com a nossa Igreja Local, Igreja Presbiteriana Kadosh, que pese a sagrada tarefa de pregar, educar e cuidar, dos habitantes de nossa região, a Grande Afonso Pena, como prova de nossa vocação cristã e amor leal e sincero ao Nosso Senhor Jesus Cristo. Para fazermos frentes aos desafios, carecemos de uma Reforma e a Ampliação do Templo. Aqui o motivo maior aponta para a SEGURANÇA, o CONFORTO e o PROPÓSITO. De maneira que, o Conselho da Igreja, a Junta Diaconal e o seu Pastor, Rev. Mário Ramos, vêm dando especial atenção ao fato de que as condições de uso do Templo, apresentam-nos o tempo de validade vencido. Razão porque, desde 2009/2010, temos apresentado na Agenda da Igreja, como uma de suas Metas, a Reforma e a Ampliação, sem contudo, alcançar tal objetivo. Devemos a partir de 2011, até porque, não há mais como postergar, realizar finalmente, o nosso sonho, que há muito está apenas no campo das observações. Mas agora, ver-se consubstanciado em virtude do envolvimento, da participação e do entusiasmo de toda a Comunidade. E para tão grande e sonhada obra ter a sua gestação, é necessário que todo o povo de Deus, através da fé que o Senhor nos entregou, possa se unir cada vez mais, envidando todos os nossos esforços para colhermos os lauréis da vitória e vermos nosso labor recompensado.

Um Sonho de Todos – Entre os pensadores existe um adágio que diz: “Quando se sonha só, o sonho não passa apenas um sonho; porém, quando se sonha juntos o sonho passa a ser realidade”. Mas eu vos digo: Eu sozinho, viverei apenas dos sonhos; porém, se continuarmos de mãos dadas no mesmo objetivo, saberemos que valeu a pena sonhar juntos.

Nossas Diretrizes Para Alcançar o Objetivo – É necessário saber o que queremos e por onde vamos caminhar, para se chegar aonde pretendemos. Por isso, vamos estabelecer algumas diretrizes, para atingirmos nossos objetivos colimados:

01- Criar o PORTAL (Site) da Igreja – (Comunicação eficiente e global);

02-Abrir Conta Corrente/Poupança, agência bancária, destinada com exclusividade à construção;

03-Lançar a Campanha Pró-Reforma e Ampliação do Templo;

04-Lançar o Livro Ouro para doação;

05-Oferecer a título de Venda a R$ 20,00 (Vinte Reais), Camisetas com a estampa da Fachada do novo Templo, em quantidade de 1.000 unidades, perfazendo R$ 20.000 ( Vinte Mil Reais;

06-Oferecer as Camisetas à Cidade, amigos e parentes de perto e de longe, e ao Sínodo de Curitiba/PR;

07-Calcular e arrecadar todo o material para a 1ª ETAPA, dentre os membros da Igreja e amigos;

08-Realizar a obra em três ETAPAS:

a) Primeira/2011: Elevar a 2m a altura do Pé Direito, remover parede divisória, trocar o telhado e refazer a instalação elétrica;

b) Segunda/2012: Fazer o piso, reboco das paredes, rebaixamento do teto em PVC, mezanino, e as luminárias;

c) Terceira/2013: Construir a torre, a fachada externa frontal, a porta de Entrada principal, as janelas (vitrores), jardim de inverno e automatizar o portão;

08-Realizar no refeitório, as atividades, no período da 1ª Etapa;

09-Armar uma Tenda de 5×5, no pátio para o uso da E. Dominical; e

10-Organizar todas as Sociedades Internas, para a efetiva comunicação entre as Igrejas co-irmãs e respectivas Federações.

Uma Oferta de Amor – Já dizia o poeta: “Só o amor constrói”. Para o (a) irmão (ã) ou pessoa amiga que em seu coração desejar CONTRIBUIR, com o seu gesto de amor e de compreensão da importância da obra de Deus, na Reforma e Ampliação do Templo, ofertando qualquer valor monetário, entre em contato com a Igreja Presbiteriana Kadosh, através dos telefones: (41) 3588-0380 (Rose) 3376-8115 (Noly) 3282-1402 (Marizete) (41) 9184-6989 Presb. Anderson Melo; ou deposite diretamente na Conta (xxx) Agência(xxx).

O Que Diz a Bíblia?

“Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque no Sheol, para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma”. (Eclesiastes Cap. 12:10)

Um Gesto de Amor e de Oportunidade – “Doer, dói sempre; só não dói depois de morto. Porque a vida inteira é só doer” (Rachel de Queiróz)

Esta é a sua oportunidade! Este gesto de amor está no seu coração. A oportunidade, nas suas mãos. Você pode e você deve participar e abençoar esta obra e depois dizer: “Eu ajudei a construir este Templo”. Aproveite hoje, e CONTRIBUA com o Reino de Deus na terra, na eternidade não existirá projeto, apenas receberemos do Senhor a recompensa do que na terra realizamos. Ore! Participe! Colabore!Este Templo é de Deus. É nosso e de nossos descendentes e daqueles que vierem em busca da Palavra, do consolo e da fé em Deus. Que o Senhor Jesus Cristo, mediante a Sua Graça, possa abençoar a sua vida, de sua família e de seus negócios. A Deus, toda a glória!

“Cientes de que recebereis do Senhor a recompensa da herança. A Cristo, o Senhor, é a que estais servindo;” (Cl. 3:24).

GESTÃO DE RECURSOS FINANCEIROS PRO-CONSTRUÇÃO

a) A Origem Dos Recursos Financeiros:

Tem a ver com a gestão dinâmica imposta de dentro para fora da Comunidade, exibindo às necessidades, pedindo contribuição e contando com a solidariedade de pessoas, Instituições e Entidades generosas, num curto, a médio e a longo prazo (2011, 2012 e 2013).

b) Programa de Captalização Dos Recursos:

b-1) Da Igreja Local – Interno:

  • Mobilização e cooperação;
  • Oração e Intercessão;
  • Ofertas Específicas Pró-Construção (Material de construção);
  • Isenção do pagamento de contribuição Presbiterial/2011;
  • Otimizar a receita e priorizar a despesa da Igreja;
  • Campanha Pró-Construção:

– Livro Ouro;

– Realizar almoço Comunitário;

– Vender 1.000 Camisetas, a princípio, por R$ 20,00 / 2011;

– Contribuir através de Carnês Sócio Benemérito da Igreja / 2012;

– Organizar e Ofertar através de 12 grupos –tribos de Jacó / 2013;

– Rede sócio solidário – compra de cadeiras / 2014.

b-2) Da Igreja Local – Externo:

  • Pedir Ofertas em Conta Corrente – Via Portal da Igreja;
  • Vender as camisetas no Sínodo e Igrejas co-irmãs;
  • Vender as Camisetas, oferecer carnês e integrar a tribo de Jacó em nossa região;
  • Alcançar às Igrejas de outros Estados: RJ, BA, PR, SP, Etc.;

c) PROJETO ARQUITETÔNICO E EM 3D, PLANTA BAIXA, ESTRUTURAL E FACHADA:

JKL – Construtora Ltda. Rua Waldemar Loureiro Campos, 3346 – Xaxim – Curitiba/PR – (41) 3085-0888 – 3095-8488

Fraternalmente em Cristo Jesus, nossa Esperança!

Muitíssimo Grato!

São José dos Pinhais/PR, 20 de Fevereiro de 2011.

Rev. Mário Ramos

Pastor da igreja

 

“O FRUTO DE UM TRABALHO DE AMOR ATINGE A SUA PLENITUDE NA COLHEITA, E ESTA CHEGA SEMPRE NO TEMPO CERTO”.


 

IGREJA PRESBITERIANA DO AFONSO PENA

Organização: 05/11/1995

CNPJ: 01.494.010.0001-93

Rua: Alberto Koerbel nº 3.559 – S. J. Pinhais – PR

CEP: 85.005-970 Tel.:3385-2393 / 9168-7422
www.ipbkadosh.com.br

 

ESTATUTOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO AFONSO PENA

CAPÍTULO I – DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO.

Art. 1º – A Igreja Presbiteriana Kadosh é uma Sociedade Religiosa constituída de crentes em Nosso Senhor Jesus Cristo, com sede própria, no Bairro Kadosh, em São José dos Pinhais/PR, e foro civil nessa cidade, organizada de conformidade com a Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil, tem por finalidade, pregar o Evangelho, prestar culto a Deus, em espírito e em verdade, batizar os conversos, seus filhos e menores sob sua guarda, ensinar os fiéis a guardar a doutrina e prática e integridade, promover a aplicação dos princípios de fraternidade cristã, promover ação social aos necessitados mediante a “diaconia”, incluindo, parcerias ou convênios com órgão Público e Privado, e o crescimento de seus membros na graça e no conhecimentos de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Parágrafo Único – A Igreja funciona por tempo indeterminado.

CAPÍTULO II – DA ADMINISTRAÇÃO CIVIL E DA REPRESENTAÇÃO.

Art. 2º – A administração civil da Igreja compete ao Conselho, que se compõe de Pastor, ou Pastores, e dos Presbíteros.

§ 1º – o Conselho, quando julgar conveniente, poderá consultar os diáconos sobre questões administrativas, ou incluí-los pelo tempo que julgar necessário, na administração civil.

§ 2º – A administração civil só poderá reunir-se e deliberar estando presente a maioria de seus membros e nesse número a maioria dos presbíteros.

§ 3º – Será ilegal qualquer reunião do Conselho, sem convocação pública ou individual de todos os membros, com tempo bastante para o comparecimento.

§ 4º – O Conselho elegerá, anualmente, um Vice-Presidente, um ou mais Secretários e um Tesoureiro, sendo este de preferência oficial da Igreja.

Art. 3º – A presidência do Conselho compete ao Pastor; se a Igreja tiver mais de um Pastor, exercerão a presidência alternadamente, salvo outro entendimento.

Parágrafo Único – O presidente ou o seu substituto em exercício representará a Igreja ativa, passiva, judicial e extrajudicialmente.

CAPÍTULO III – DA ASSEMBLÉIA

Art.º – 4º – A Assembléia Geral constará de todos os membros da Igreja em plena comunhão, e se reunirá ordinariamente ao menos uma vez por ano e extraordinariamente quando convocada pelo Conselho.

§ 1º – A Assembléia se reunirá ordinariamente para:

a) Ouvir, para informação, o relatório financeiro, do movimento da Igreja, no ano anterior, e tomar conhecimento do orçamento para o ano em curso;

b) Pronunciar-se sobre questões orçamentárias e administrativas, quando isto lhe for solicitado pelo Conselho;

c) Eleger, anualmente, um Secretário de Atas;

§ 2º – A Assembléia se reunirá extraordinariamente para:

a) Eleger pastores e oficiais da Igreja;

b) Pedir a exoneração deles ou opinar a respeito, quando solicitada pelo Conselho;

c) Aprovar os seus estatutos e deliberar quanto à sua constituição em Pessoa Jurídica;

d) Adquirir, permutar, alienar, agravar de ônus real, dar em pagamento imóvel de sua propriedade e aceitar doações ou legados onerosos ou não, mediante parecer prévio do Conselho e, se este julgar conveniente, também do respectivo presbitério;

e) Conferir a dignidade de pastor emérito, presbítero emérito e diácono emérito.

§ 3º – Para tratar dos assuntos a que se referem às alíneas “b” do parágrafo 1º, “c” e “d” do parágrafo 2º a Assembléia deverá constitui-se de membros civilmente capazes.

Art. 5º – A Reunião Ordinária da Assembléia se fará sempre em primeira convocação, seja qual for o número de membros presentes.

Art. 6º – A Reunião da Assembléia Extraordinária deverá ser convocada com antecedência de pelo menos 08 dias e só poderá funcionar com a presença mínima de membros em número correspondente a um terço dos residentes na sede.

Parágrafo Único – Em segunda convocação a Reunião Extraordinária da Assembléia, se realizará com qualquer número de presentes, oito dias depois, no mínimo.

Art. 7º – A presidência da Assembléia da Igreja cabe ao Pastor e na ausência ou impedimento deste ao Pastor-Auxiliar ou do Vice-Presidente do Conselho, caso a Igreja não tenha Pastor-Auxiliar.

CAPÍTULO IV – DOS BENS, E DOS RENDIMENTOS E SUA APLICAÇÃO

Art. 8º – São bens da Igreja ofertas, dízimos, doações, legados, bens móveis ou imóveis, títulos, apólices, juros e quaisquer outras rendas permitidas por lei.

Parágrafo Único – Os rendimentos serão aplicados na manutenção dos serviços religiosos e no que for necessário ao cumprimento dos fins da Igreja.

Art. 9º – Os membros da Igreja, respondem com os bens desta e não individual ou subsidiariamente, pelas obrigações por ela contraídas.

Art. 10º – O Tesoureiro da Igreja responde com seus bens, havidos e por haver, pelas importâncias sob sua guarda e responsabilidade.

§ 1º – O Tesoureiro depositará em casa bancária de escolha do Conselho, as importâncias sob a guarda desde e que estas sejam superiores a R$ 1.000,00 (Hum Mil Reais).

§ – 2º – As contas bancárias serão movimentadas com as assinaturas do presidente e do tesoureiro.

CAPÍTULO V – DA COMISSÃO DE EXAME DE CONTAS

Art. 11º – O Conselho nomeará, anualmente, uma Comissão de Exame de Contas da Tesouraria, composta de três pessoas.

§ 1º – A escolha poderá recair sobre quaisquer membros comungantes da Igreja.

§ 2º – O Tesoureiro fornecerá a essa Comissão, de três em três meses e ainda no fim de cada exercício, um balancete da tesouraria, acompanhado de todos os livros e comprovantes, inclusive contas bancárias.

§ 3º – A Comissão de Exame de Contas, por sua vez prestará relatório ao Conselho de três em três meses e ainda um relatório geral do exercício findo, relatórios esses que devem ser acompanhados dos balancetes da tesouraria.

CAPÍTULO VI – DO PATRIMÔNIO EM CASO DE CISMA OU DISSOLUÇÃO

Art. 12º – A Igreja poderá extinguir-se na forma da legislação em vigor, por determinação do Presbitério a que se subordina.

§ 1º – No caso de dissolução da Igreja, liquidado o passivo, os bens remanescentes passarão a pertencer ao Presbitério cuja jurisdição estiver.

§ 2º – No caso de cisma ou cisão, os bens da Igreja passarão a pertencer à parte fiel à Igreja Presbiteriana do Brasil; e sendo total o cisma, os bens reverterão ao Presbitério a que estiver jurisdicionada.

CAPÍTULO VII – DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 13º – Estes Estatutos são reformáveis mediante proposta estudada pelo Conselho, aprovada, em primeiro turno, por uma Assembléia Geral, convocada especialmente para este fim, aprovada em segundo turno pelo Presbitério a que se subordina esta Igreja, e em terceiro turno, de sanção, por nova Assembléia Geral da Igreja.

Art. 14º – São nulas de pleno direito quaisquer disposições que, no todo ou em parte, implícita ou expressamente, contrariarem ou ferirem a Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil.