A VINDA, OS DONS, E O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO

Nº 256 –  BOLETIM DOMINICAL 30 DE AGOSTO DE 2020

A VINDA, OS DONS, E O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO – I COR. 12:1-11

O Deus Espírito Santo é eterno e pré-existente. Ele laboriou na criação, agiu ao longo da História Sagrada e falou pelos profetas. A vinda do Espírito Santo se cumpriu e ainda opera. Ele é Deus Pessoal e Soberano. Ele age como quer, quando  quer e onde quer. Ele jamais estará sujeito à padrões, parâmetros ou exigências. O Dom no (singular) do Espírito Santo é o Próprio Espírito Santo (At. 2:38; Ef. 4:7), diz Pedro sobre a Graça. Jesus confirmou em João (7:38-39); e prometeu a presença real dEle, por processão do Pai e do Filho, Caps (14,15,16)  de João, até a consumação dos séculos (Mt. 28:18-20).Os Dons, no (plural), são provenientes do Dom (Ef.4:7-11), prometido à Igreja em Atos 1:4-5; 2:1-8; Joel 2:28-32, em que Pedro faz menção na pregação de Pentecostes (At. 2:14-18). A Igreja tem ministérios; os crentes têm Dons. Os Dons “pneumátikon” são serviços a serem prestados por meio dos ministérios,”leitourgia”. os dons estruturais em (Ef. 4:11); “os apóstolos, profetas (Ef.2:20), evangelistas (At.21:8) cessaram; pastores e mestres.” continuam, e os dons espírituais I Cor.12:1-11; a saber, num contexto de divisões e frouxidão moral numa igreja que nenhum dos dons faltavam (v.7), enquanto que o Cap. 13, trata do poder do amor, como condicionante, ao uso dos dons hoje, e a disciplina deles no Cap. 14. Seja como for, os Dons não são nossos, pertencem ao Espírito Santo, são de Cristo. Os dons têm uma dimensão trinitária; visam a edificação da igreja, a um fim proveitoso, à evangelização e ao testemunho. È verdade que o pensamento Reformado Histórico tem critério quanto a aceitação contemporânea dos dons mais espetaculares. Os Pais da Igreja no I Século, falaram na cessacão desses dons. O Rev. Modesto Carvalhosa, em 1903, está no episódio, que envolveu o Rev. Felipe Pavan, que convidou o Diácono ex-presbiteriano, Luigi Francescon, missionário Ítalo-americano, o qual, fez na Igreja de Pavan, IPB do Brás-SP,  pregações sobre os “dons espirituais”, o que deixou Pavan e vários membros perturbardos,  mediante a experiência mística. Pavan passou a ser o primeiro Ancião da CCB, Esta triste cena, voce presbiteriano, de lá prá até hoje, não se cansa de ver aqui e ali. Falta de “maturidade espiritual”.(S. Kierkergaad). Foi a partir da 2ª guerra mundial a proliferação dessas seitas. No Brasil final dos anos 60. No pós democracia, 1985, o neopentecostalismo-midiático-político, tomou o Brasil. Hoje, é o “vento” da teologia e eclesiologia coaching (a lâmpada mágica do Aladdin) pretensa substituição  ao ministério do Espírito Santo (Jo.14:15-30). Onde a Palavra profética não tem vez não se pode dá ouvido.O fruto do Espírito Santo, no (singular), é um belo cacho de nove sabores do mesmo fruto (Gl. 5:22-23), em oposição as obras da carne (Gl. 5:19-21). O fruto do Espírito Santo nós não “colhemos”, apenas, manifestamos. O cristianismo sincretista no Brasil, gerou oportunistas como Flordelis, Pe. Robson e João de Deus. Na política,vá-rios cristãos nominais corruptos de ontem e os de hoje. O carisma da Igreja não é uma fala-mansa, omissa e covarde e sim, a elegância no coração. Rev Mario