A PATERNIDADE DE DEUS

BOLETIM DOMINICAL- 29 DE SETEMBRO DE 2013

A PATERNIDADE DE DEUS – Rm. 8: 12-25

A Adoção de filhos está à moda. Tal atitude demonstra uma das ações mais amorosas. No texto bíblico, Paulo está utilizando de uma metáfora para descrever o novo relacionamento do cristão com Deus. No Direito Romano o rito da adoção era muito complicado e sério. A adoção romana era mais séria e difícil por causa do “pátrio poder”. Era um poder absoluto de vida e de morte sobre a família e sobre os filhos. A emancipação dos filhos deu-se, lentamente, através dos tempos. Um processo longo e cautelar. A adoção é coisa muito séria. É fazer-se pai, quando não era. É tornar-se filho, quando não pertencia. Envolve toda a família maior inclusive, em face aos direitos e bens corpóreos e incorpóreos. Já adoção espiritual vai muito mais além. Ela é diferente, eterna e maravilhosa. Mas que tem elementos legais do contexto em que viveu o apóstolo Paulo, que era Judeu e cidadão romano, profundo conhecedor do Direito. Vejamos as conseqüências da adoção, aplicando-as à nossa vida espiritual como filhos e filhas adotivos, à luz da paternidade irrevogável e eterna de Deus. Leia I João 3: 1 e 2; 1) Quanto aos nossos direitos – A pessoa adotada perdia todos os direitos em sua antiga família e ganhava todos os direitos de filho legítimo na nova família. Em sentido lateral e com maiores deveres e direitos como filhos, recebemos um novo pai. Deus é o nosso pai, e nós somos todos irmãos. Somos herdeiros do Senhor dos céus e da terra. Nosso Pai é muito rico e poderoso. Deixemos de ser mesquinhos e miseráveis; 2) Somos herdeiros e Co-herdeiros – Ao ser adotado, o filho passa a ter direitos sobre todos os bens do seu novo pai. A existência de filhos sanguíneos, não altera os direitos do adotado – ele é co-herdeiro com Cristo: se com Ele sofremos, para que também com Ele sejamos glorificados ( V.17); 3) O adotado é uma nova pessoa em uma nova relação – Legalmente, no Direito romano, a vida antiga do adotado era totalmente cancelada e ele passava a viver uma nova vida, na nova família; 4) Você tem um novo Pai e muitos outros irmãos – A pessoa adotada é, legalmente, e torna-se efetivamente, filhos do seu novo Pai, tem uma nova família e muitos novos irmãos: Ame-os. Deus nos adotou em Jesus! (Jo.1: 11-12)  Rev. Mario Ramos