A IGREJA E A SUA ELEIÇÃO DIVINA

BOLETIM DOMINICAL- 06  DE OUTUBRO DE 2013

A IGREJA E A SUA ELEIÇÃO DIVINA – Gl. 4:1-11

A eleição é uma expressão peculiar a fé cristã presbiteriana reformada. A eleição divina é planejada na eternidade, mas acontece no tempo. Na eleição divina da Igreja há os antecedentes – especialmente Israel – povo/nação; há o ambiente no qual a Igreja emergiu; e há o conseqüente que é a sua visão no tempo e na história. Estamos falando daquela Igreja apostólica por suas marcas e doutrinas distintivas dos Apóstolos, aos quais Cristo, transferiu a incumbência do anúncio do Evangelho pelo mundo afora (Mat. 28: 18-20. At. 1:8). E não a qualquer igreja. Quais seriam estas qualificações? 1) Antecedentes – Deus age na vida e na história do seu povo. Vemos a operação de Deus na maneira como o mundo antigo foi preparado para a vinda de Jesus Cristo. Jesus veio na “plenitude dos tempos”. Os três povos, por providência divina nos dão a compreender melhor como Deus dirige a história. Os judeus, os gregos e os romanos. a) Os Judeus – povo eleito por Deus no Antigo Testamento. Deus tem um plano para com Israel, após completar o número dos gentios e mesmo durante este feriado; é só crer e aceitar a Jesus Cristo como o Messias e o Filho de Deus que veio em carne, confessá-lo e tornar-se uma nação da promissão abraâmica (Gn. 12); b) Os gregos –houve a helenização do oriente. Os povos que habitavam as regiões do mediterrâneo foram grandemente influenciados pelos gregos. Os filósofos gregos deram a sua contribuição quanto a existência de Deus e do homem, do bem e do mal, à busca da verdade; c) Os romanos – Este império dominava todas as regiões daquele mundo de então. Pode-se falar sobre certa unificação dos povos daqueles dias. Por três anos o cristianismo se expandiu pelo mundo; 2) O ambiente – Todos esses fatores mencionados contribuíram para criar um ambiente próprio para o surgimento da Igreja, a eleita de Deus. As condições religiosas ou espirituais eram favoráveis. As condições intelectuais eram positivas. A língua grega era falada e a filosofia respeitada; 3) Visão – Israel creu e viveu ou procurou viver uma eleição exclusiva , centralizadora e até nacionalista. Mas o cristianismo, a Igreja, aceitou e procura viver uma eleição inclusiva. Onde o Evangelho é para todos! Rev. Mario Ramos