A IGREJA E A FAMÍLIA

 

BOLETIM DOMINICAL – 27 DE MAIO 2012

A IGREJA E A FAMÍLIA – Deut. 6:1-13

O mês de Maio é denominado como o mês do lar. Temos o “Dia das Mães”; e o “Mês das Noivas”. É por assim dizer o mês da Família. Reservamos este domingo para tratarmos sobre a Família e a igreja. A família é fundamental dentro processo de crescimento, estabilidade e maturidade espiritual da igreja. Portanto, se a sua família vai bem a sua igreja vai bem. Trata-se de uma realidade dual inclusivista. Assim como a igreja precisa estar presente cotidianamente dentro do seu lar, este por sua vez, presente na vida da igreja. “E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar, e de pregar Jesus, o Cristo” (At. 5:42). Esta convivência cristã, tão natural, atendia por estratégia ao crescimento da igreja, consolidação da fé e testemunho cristão. Tal estilo de vida comunitária, levou o cristianismo primitivo, em menos de 30 anos a todos os distritos, aldeias e povoados dentro de Jerusalém, Samaria e Judéia. A fé pujante desses cristãos, experimentou, o gosto das aventuras missionárias logo a seguir, pelo fato de se sentirem prontos para a missão que recebera de Seu Mestre e Senhor Jesus Cristo -”…até aos confins da terra” (At. 1:8). Lembramos com saudades do bom tempo mas tão esquecido o “culto doméstico”. Eram dias felizes e ditosos – a família inteira reunida em torno da mesa com a Palavra de Deus no centro. Desta forma, a voz profética ecoava permanentemente nos corações entrelaçados ao de Deus. A família, era mais unida e harmoniosa. Havia mais respeito e temor a Deus. Havia mais fé e milagres. Havia mais estabilidade no lar entre marido e mulher e pais e filhos. Porém, os tempos modernos se incumbiram de deixar no passado, aquilo de que tanto carecemos no nosso tempo presente – Deus como Senhor e não apenas hospede do nosso lar. A igreja de nossos dias, vive da pálida concepção de que o nosso lar, reserva ainda, uma porta aberta, se agenda secular permitir-nos. Por outro lado, as “igrejas celulares”, arrombam as portas dos lares seguidores, a pretexto do uso da Palavra de Deus, para projetar o crescimento a qualquer custo, de sua organização. São situações díspares que se contrapõem aos planos de Deus para a Sua igreja e para a família cristã. Numa outra ponta, vemos os exageros do abandono, do desprezo e da indiferença na família, por parte dos que obedecem a fé-religiosa ao invés, de obedecerem a fé-cristã. Infelizmente, sem nenhum senso crítico, muitos se tornam inúteis, na construção da fé cristã no contexto da família maior, em nome de sua convicção religiosa imposta pela seita. A fé cristã genuína, busca em primeiro lugar, o investimento na familiar, na presença de Deus, e ao serviço de Cristo. A igreja é, a sua família. Rev.Mario