A GRANDE MERETRIZ: ROMA E SUA QUEDA

Nº 214 –  BOLETIM DOMINICAL – 06 DE OUTUBRO DE 2019

A GRANDE MERETRIZ: ROMA E SUA QUEDA – Ap. 17:1 – 18

A decadência moral é prenúncio da queda de impérios, de cidades, de instituições, de família e de indivíduos. Uma pessoa que se torna desfibrada e sem caracter é facilmente dominada. Os sete selos foram todos abertos. As trombetas já soaram. As sete taças da ira estão vazias. Um anjo, anuncia o julgamento da grande meretriz – Roma, misticamente, simbolizada de Babilônia (Ap.16:19). A mulher, a prostituta é Babilônia, que quer dizer Roma. E por extensão, o romanismo cuja raiz, é o cristianismo-constantinismo a partir do IV Século, com Constantino Mágno. Aqui, Babilônia representa o falso sistema religioso que se centralizará em Roma durante a Grande Tribulação. No Cap. 18, representa o poder político e comercial do Império Romano redivivo e encabeçado pelo Anti-Cristo. Uma espécie atual de “Wall Street”. Toda a prostituição espiritual é extremamente detestável diante de Deus. O nome “Babilônia” é o símbolo dessa prostituição espiritual. A musculatura espiritual do autêntico cristianismo até ao IV Séc, fadigou-se, No plano espiritual, Babilônia siginifica toda essa confusão religiosa e política que há no mundo. –  Babilônia mística (17:5). Satanás tem ainda “por um tempo” , um império, que e´o império da morte (Heb. 2:14). Muitos comentadores falam da Igreja Católica Romana como sendo a maior culpada por ter levado um número maior que qualquer outra para a idolatria. Na Bíblia a prostituição é uma figura comum de idolatria. A prostituição espiritual é a forma religiosa de um amor falso, assim a idolatria e a crença falsa,  que corrompe o Vero amor que nos liga a Deus. Enquanto que a religião, traça o caminho inverso, o homem que se liga a Deus. Ela “está assentada sobre muitas águas” (17:15). Quer dizer, ela domina o mar da humanidade, das nações inquietas e angustiadas do mundo – as facetas do pecado original, social e comunitário, as multidões de refugiados de guerras, dos opressores e dos déspotas. Será este o fato de que esta igreja se intitula “ “a mãe de todas as Igrejas”, isto é, ela é sim, a mãe das prostituições. A Igreja de Roma, pelo Direito Canônico, historicamente, nunca matou tanto em nome da própria Igreja, da fé e de seus dógmas: Savanarola, João Hus, Valdenses, Albigenses, Lolardos. A “Santa Inquisição” até hoje inspira terror! “Com a qual se prostituiram os reis da terra” (17:2), fala-nos da união da corrupção eclesiás- tica com a tirania civil – deveu-se a isto a Reforma Religiosa, Séc. XVI. Hoje, a nossa nação clama pela Reforma da Reforma Protestante. E, sobre a nossa nação, a acusação não somente à Igreja de Roma; tambem, existem muitos grupos e pessoas que fazem parte do ministério babilônico, declaradamente, pelo seu conteúdo e sua forma – são crimes e pecados atribuídos à Babilônia religiosa e política.Pelejarão…e o Cordeiro os vencerá…” (17:14-18). O sistema religioso almagamado ao político/comercial, depois de algum tempo de boa convivência com a Babilônia será vencido pelo Rei dos reis.      Rev. Mario