A FUNÇÃO DA ORAÇÃO E DA GRAÇA DE DEUS NO PROCESSO DE CURA INTERIOR, RESTAURAÇÃO E AVIVAMENTO

Nº  104  BOLETIM DOMINICAL- 18 DE JUNHO DE 2017

A FUNÇÃO DA ORAÇÃO E DA GRAÇA DE DEUS NO PROCESSO DE CURA INTERIOR, RESTAURAÇÃO E AVIVAMENTO – At. 4: 23-31

Vemos com profunda tristeza a resistência de certos segmentos da Igreja quando o assunto é a cura interior. Crentes, famílias e até a igreja carecem de cura interior. Desejamos crescer. Desejamos uma família abençoada. Queremos uma igreja avivada, operosa e participativa. Porém, muitos são os obstáculos que impedem essa realidade. Se a questão for a necessidade de cura interior, nada do que se fizer surtirá o resultado desejado. É preciso primeiro, a cura interior. O doente carece de tratamento para que o seu corpo possa desenvolver suas funções vitais. É um princípio de causa e efeito. Cura interior é regeneração, é novo nascimento, é conversão, é ser de fato e de verdade “uma nova criatura”. (2 Cor.5:17). Pois assim, e só assim, todos os traumas, complexos, mania de perseguição, fobias, neuroses são curados. Deus não faz remendos, Ele faz uma nova criatura. Em síntese e em essência cura interior é isto. Rejeitemos todo o trabalho de regressão psicológica e qualquer manipulação das emoções. Isto talvez caiba no campo da psicologia e somente em casos determinados e só deve ser procedido, quando feito, por profissional da área, psicólogos competentes. O resto é charlatanismo e curanderismo, que é crime de acordo com o Código Penal nos  Arts. 283 e 284 – Dos crimes contra a saúde pública. Pedimos que leia 2 Cor. 5: 17; Tg. 5:12-18; Sl. 32:1-11. Seja Deus verdadeiro! “ A oração da fé” é uma expressão peculiar a Tiago. Ele aqui fala de doenças ligadas a pecados não confessados e associa de uma forma perfeita a oração da fé. O toque “orar sobre ele”, o óleo, a confissão dos pecados, o perdão total  como segredos da cura interior divina. Em nosso meio Reformado, evangélico – calvinista, não vejo lugar para a prática doutrinária da “unção com o óleo”, senão, em caso específico, de forum bem particular. Devemos evitar o materializar veículos para a graça de Deus atuar livre. Os meios da graça são: a oração, a leitura da Bíblia e a comunhão. É bom evitar que as pessoas acreditem mais no “óleo” do que na Unção do Espírito Santo. É bom relembrar que quem cura, restaura e regenera o doente é Deus mediante a sua graça eficáz. (Ef. 2:1,8,9). A glória pertence ao Senhor. “Elias era homem semelhante a nós”, isto significa” Sujeito aos mesmos sentimentos”. O poder não era de Elias, mas sim de Deus. Cuidado com gente de “oração poderosa-imperiosa”, isto não é bíblico e não existe. Fique com a Palavra de Deus: O Poder pertence a Deus. “Ele falou, e tudo se fez…”! Sl 33:9, Rev. Mario Ramos