A CAVALARIA INFERNAL

Nº 193 –  BOLETIM DOMINICAL – 05 DE MAIO DE 2019

A CAVALARIA INFERNAL – Apoc. 6:1-8; Zc. 6:1-8

O Cordeiro dígno está no seu trono. Ele toma o livro da mão de Deus. O livro do Juízo selado continha os eventos da história. É o tempo do fim dos tempos. O Turfe dramático não é para refestejar antes; o hipódromo em tela é de destruição e morte. Do Cap. 6 ao 19, o cenário é o da Grande Tribulação. Temos a figura dos quatro seres viventes que vão falar (6:1; 4:6,7; 5:6,8). Quem são estes? Para Irineu, no ano 170, as criaturas representam os quatro Evangelhos. Agostinho assim os classificou: “o Leão, o Evangelho de Mateus; o homem, o Evangelho de Lucas; o novilho, o Evangelho de Marcos, e a águia, o Evangelho de João”. Qual o período histórico aqui retratado? É um tanto enigmático e complexo. Estamos diante do amilenismo? Tem a ver com a profecia de Daniel, as 70 Semanas, cuja contagem começaria ainda nos dias de Daniel, o qual, interpretou Jeremias sobre os 70 anos de cativeiro babilônico (Dn. 9:1-2; 20-27; 12:1). Temos a cronologia das 7 semanas (49 anos) até a reedificação dos Jerusalém com angústia (Dn.9:25). Segue as 62 semanas (434 anos) até a vinda do Messias e a morte do Ungido (Dn. 9:25,26), fechando as 69 semanas de anos. Cada semana é de 7 anos. O que foi determinado até hoje foram 7 semanas + 62 semanas = 69. Falta apenas UMA semana – a da Grande Tribulação. Com a crucificação de Cristo, foi inaugurado o Tempo da Graça, assim interrompidas as 70 semanas. O advento da Igreja de Jesus Cristo, interrompeu o pácto feito diretamente com Israel (Jo. 1:11,12; Rm.11:25-28). Com o aparecimento do anti-Cristo (2 Ts.2:1-17), será restabelecida a última semana (Dn.9:26,27; Mt.24:15-22). Os sete selos serão abertos a contra gosto dos incrédulos. O 1º Selo – O cavalo branco: Guerra fria, o cavaleiro é o anti-Cristo, com aparência de paz. Seu método de conquista é beligerante. Ele representa as autoridades entre Judaico-Cristãos que tentam a paz. Nada a ver com o cavalo branco (Ap.19). 2º selo, cavalo vermelho – este retira da terra o pouco da paz existente. A ação corresponde bem à descrição do engano dos homens maus (1º Ts. 5:3); 3º selo, o cavalo preto, “a balança e o denário”, o capitalismo e o neoliberalismo. Tudo preto, luto negro, a fome negra. Ricos em tempos de fome (Lam.5:8-18). 4º selo, cavalo amarelo, a palidez, o cavalo da morte e do inferno. Somos 7,5 bilhões no planeta para comer e viver. A morte ceifa o corpo o inferno a alma.

Rev. Mario