A BESTA QUE VEM DO MAR, PODER IMPERIAL

 

BOLETIM DOMINICAL – 07 DE AGOSTO DE 2011

 

A BESTA QUE VEM DO MAR, PODER IMPERIAL – (Ap. 13:1-10)

Com a vitória de Cristo na Cruz do Calvário o Diabo foi vencido; mas ainda não destruído. O cumprimento da Promessa em Gênesis 3:15, foi cabalmente. “e, despojando os principados e as potestades,.. triunfando deles na cruz” (Cl. 2:15). Entretanto, quanto a rendição total, “sabendo que pouco tempo lhe resta” (Ap.12:12b). Esta 1ª besta, a que emerge do mar – simboliza o Império Romano. A besta descrita no v.2, lembra Dn. 7:3-7, onde 04 animais emergem do mar. São eles: O leão, representa o império Babilônio; o urso, o Medo-Persa; o leopardo, o Ímpério Grego de Alexandre e o 4º animal feróz e espantoso, representa o Império Romano. O Apóstolo João, em sua visão, toma estes símbolos e os funde num só – o poder político-religioso demoníaco, que na sua época oprimia o povo de Deus; ou seja, o Império Romano e o culto ao Imperador. Já em nosso dias há uma grande luta das forças das trevas para arruinar o plano de Deus. Sabemos todavia, que o plano de Deus não pode ser frustado. Sabemos mais, que Cristo veio não para condenar o mundo, mas para salvá-lo (Jo.3:16-17). Porém, o objetivo de Satanás, é de manter esse mundo, se possível fosse, eternamente sob condenação. Desde o tempo dos Apóstolos, os crentes sabiam da vinda do Anticristo. Era doutrina ensinada desde os tempos do Velho Testº., especialmente no livro de Daniel. E Satanás, sempre tentando se opor a Deus. No Cap. 12, vimos que o dragão, foi expulso do céu e atirado à terra. Vimos ainda que depois do fracasso de Satanás no ataque a mulher vestida de sol e com a lua debaixo de seus pés (Israel) e de seu filho varão (Jesus), agora através das duas bestas, como seus instrumentos, declarou guerra contra o resto da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus, e tem o testemunho de Jesus Cristo (Ap. 12:11-12a). Este “RESTO” da semente da mulher, serão os que crerem no Messias, durante o curto reinado do Anticristo, no período da grande tribulação. A trindade satânica, dragão, besta e o falso profeta, nesta época, agirá com toda a fúria e destruição porque sabe que pouco tempo lhe resta. A besta do mar, tipifica as potências que dominaram a história: Egito, Assíria, Babilônia, Pérsia, Grécia, Roma e Roma Papal. Nas Escrituras “besta” significa reinos e reis (Dn.7:2-7;17,23). Quanto as 7 cabeças, são os 7 Imperadores de Roma: Tibério, Calígula, Cláudio, Nero, Vespasiano, Tito e Domiciano. Quanto aos 10 chifres, com a morte de Nero, houve um período de caos absoluto, de modo que em 18 meses, três reis ocuparam o poder imperial: Galba, Oto e Vitélio; somam-se dez reis. Quanto o nome blasfêmia sobre a cabeça são: augustus (divino); theos (Deus), Kyrios (Senhor), Soter (Salvador). A besta é a representante do dragão. Isto explica do que lemos: “ E deu-lhe o dragão…poder, .. trono e autoridade” (v.2). O Santo Império perseguiu barbaramente os cristãos. Por sua vez, o culto ao Imperador veio a se tornar um fator de unificação entre diferentes tribos, povos e nações. E estes, os que adoravam a besta, certamente não foram escritos no livro da vida e do Cordeiro. Sabemos que a geo-política atual e a economia mundial globalizada está preparada para a manifestação do Anticristo. Com a lealdade espiritual a um governo terreno, as demais lealdades se redem! Rev. Mario Ramos